Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Ano velho, Ano novo

Quando se deseja assinalar a importância de um grande ano, é habitual dizer-se que "foi de intensas emoções". Para mim, 2013 ficará sempre como o ano da tranquilidade financeira, da recompensa pelo esforço de poupança. 

 

Em 2013 paguei a última prestação do meu crédito pessoal e passei - oficialmente - a ser alguém sem dívidas.

 

 

Não ter dívida permitiu-me começar a pagar ao meu futuro eu. Chegar aqui não foi um caminho fácil, foi lutar com demónios pessoais, amadurecer para deixar de me preocupar com o que os outros pensam e dois anos a pensar onde e como poupar. 

 

Existem muitas pessoas que fazem do ano novo o momento de partida para novas resoluções para 2014. Algo me diz que poupar está no topo da lista. 

 

Deixo-vos com a minha sugestão para fazer o 

 

POUPAR COMO RESOLUÇÃO PARA 2014

 

 

 

POUPAR PASSO A PASSO

 

Primeiro passo: esqueça 2014 e concentre-se na 1ª semana de Janeiro de 2014. É facto que as "resoluções" anuais, não costumam durar. Por isso:

 

Na 1ª semana de 2014:

 

- anote tudo em que gastou dinheiro (esconda um papelinho no porta moedas), do café à renda/prestação da casa. 

 

Na 2ª semana de 2014:

 

- reveja a informação e procure formas de poupar em cada um dos itens (levar comida de casa, comprar uma garrafa térmica para poupar as idas ao café para lanchar, etc.).

 

Isso deverá mantê-la/o ocupada/o durante o mês de Janeiro. Depois cá estarei para Fevereiro.

 

 

POUPAR SÓ EM GASTOS SUPÉRFLUOS

 

Deseja começar ainda mais devagar?

 

Se quer começar por cortar nos gastos supérfluos, escolha Janeiro como o mês em intencionalmente não os vai fazer: não vai ao cinema, ao bar, fazer compras na Amazon ou ver filmes no videoclube.

 

[Se ainda assim lhe custar muito, habitue-se à ideia durante o mês de Janeiro e comece em Fevereiro que é um mês mais curto].

 

 

POUPAR SÓ NO QUE PAGA

 

Ainda mais devagar?!

 

(Esta malta é exigente.)

 

Pois bem, também tenho uma sugestão para Janeiro de 2014: corte na facturação das empresas e não nos serviços que recebe. Leia o meu post sobre como baixar a mensalidade de fornecimento de serviços.

 

 

O meu 2014 promete ser de mudança. Espero que que vosso vos traga tudo que desejam, desejo-vos o que almejo para mim: amor daqueles que amo, saúde para todos e paz financeira (para ter o luxo de concentrar a minha vida nos dois primeiros). 

 

Feliz 2014

Como baixar a mensalidade de fornecimento de serviços (não espere pelas resoluções de ano novo)

O ano está a terminar e é sempre uma altura em que parece dificil evitar o cliché de olhar para trás e fazer balanços. Hoje, depois de uma conversa que foi reforçada por um post, fiquei a pensar em pontos marcantes deste meu percurso para a paz financeira. 

 

Depois de um episódio da Oprah, vi pessoas endividadas a contactar empresas de crédito, pedindo que baixassem taxas de juro ou taxas de utilização. Isso inspirou-me a tentar o mesmo junto empresa de fornecimento de telefone e televisão paga. Com um único telefonema para cada uma das entidades, baixei a prestação mensal em ambos os serviços. Poupança imediata de 2 x €5.00 euros mensais.

 

Não é preciso muito e podem fazer isto hoje mesmo em 3 passos.

 

Como baixar a mensalidade de fornecimento de serviços

 

1. Trabalho prévio (facultativo)

Consultem as páginas dos diversos fornecedores e comparem os preços. Se puderem dizer ao vosso fornecedor que existem outras ofertas mais económicas, isso irá ajudar.

 

2. Juntem a documentação necessária

Provavelmente a factura terá todos os dados necessários (número de cliente e afins).

 

3. Peguem no telefone e sentem-se confortavelmente

Basta ligar e explicar que estão a repensar o contrato de fornecimento, perguntando se não existem alternativas mais económicas. Também podem ser mais radicais e simplesmente perguntarem quais os formalismos e prazos para terminar o contrato - é inevitável serem reencaminhadas/os para o departamento comercial. 

 

 

Com esta estratégia já consegui pacotes de chamadas gratuitas, descontos nas prestações e aumento da velocidade de internet. 

 

Adoraria ler os vossos testemunhos com esta estratégia. Boa sorte!

Decoração sustentável com bastidores para bordar

Há muito que era um projecto adiado. Dois bastidores para bordar sem uso (na verdade acho mesmo que nunca os utilizei) efectivo, mas com perspectivas de serem úteis. 

 

As inspirações para os utilizar em decoração eram imensas, mas encontrava sempre projectos que sugeriam a inutilização dos bastidores com o tecido a ser colado nestes. Para mim, não só os bastidores deveriam manter a sua finalidade como o tecido deveria poder ser reutilizado em projectos futuros.

 

Por isso, optei por um método que permitisse a reutilização de todos os materiais utilizados (fora com o desperdício).

 

Coloquei o tecido, estiquei-o e cortei o excesso, deixando uma margem de cerca de 3 cm (a olho).

 


Cosi a toda a volta do tecido, em ponto muito solto (preto para melhor demonstrar), a cerca de 1 centímetro da margem exterior, para depois puxar. Quanto menor o ponto, mais difícil será puxar, mas melhor ficará apertado (dá apenas mais um bocadinho de trabalho).

 

Puxei o fio, fazendo com que o tecido ficasse apertado para o interior do bastidor.

 

 

Como estava muito largo, dei mais uma volta com a linha para apertar as dobras de tecido que estavam mais soltas.

 

 

A minha segunda tentativa ficou muito mais aprumadinha.

 

 

 

A versão final, com direito a bolsinho e tudo (que nada mais é que uma tira de tecido sobreposta). 

 

 

 Desta forma, quando precisar dos bastidores para bordar, estão funcionais e o tecido pronto a reutilizar.

Pág. 1/3