Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Inspiração

"There's ALWAYS an upgrade. There will always be a new "next great thing" fighting for your child's money."

 

Rachel Cruze

Dora trabalha. Ponto Final

Parece ter-se espalhado pelas redes sociais. É a notícia do dia: Dora trabalha no MacDonal´s e isso é visto como pouco digno para quem foi a representante de Portugal no Festival da Canção, para quem foi a voz dos anos 80. 

 

Imagino que a Dora gostaria de obter os rendimentos que precisa para viver de um trabalho que ama e imagino que isso seria a cantar. Eu tenho uma amiga que é uma fantástica artesã, mas que trabalha num emprego que não ama, mas que precisa. Muitas/os de nós vivemos assim: trabalhamos porque temos de o fazer, não necessariamente porque gostamos do que fazemos.

 

A dignidade e a coragem da Dora vem, precisamente, do facto de ser figura pública. Mostra assim que a grandeza está em dignamente pagar pontualmente os seus encargos e sustentar a sua família. Isso sim, é dignidade. Para isso sim, é preciso muita coragem. Coragem todos os dias. E é assim que vive a generalidade dos portugueses: a viver corajosamente todos os dias, para sobreviver ou viver com a paz financeira possível.

 

A Dora volta a mostrar que é audaz e atrevida e não consigo esconder a minha admiração.

 

Como diria Dave Ramsey (guru financeiro dos americanos)... pagar a hipoteca é o novo símbolo de status social, substituindo o BMW. 

 

Como evitar despesas bancárias indevidas

Confesso que sempre fui alguém que não verificava os extractos bancários. Sempre confiei cegamente nos bancos, seja na segurança dos serviços online, seja nos débitos feitos. 

 

Isso mudou drásticamente quando descobrir que me estavam a cobrar indevidamente uma taxa bancária. Já não havia gostado quando me cobravam o custo de um cartão de débito de uma conta bancária que apenas é virtual (não tem cartões, cheques, etc.). Agora, que tanto lutei para ter o meu cartão de crédito a zeros, descubro que me cobraram €3.00 a título de "comissão de reversão". Ora por muito que procurasse no site do banco, essa comissão não aparece em sítio algum. 

 

Peço esclarecimentos e a resposta é que foi anulada. Assim, sem mais explicações. 

 

Se não estivesse a controlar os débitos, se não tivesse o cartão a zero, provavelmente não teria reparado em €3.00, que são meus e com os quais poderia comprar 6 latas de tomate ou 1 frango de quase 2 kg. Percebem a ideia?

 

Por isso, verifiquem sempre os vossos extractos bancários e vigiem as movimentações das vossas contas.

Pág. 1/5