Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

A emoção de poupar

Há bem pouco tempo estive com uma amiga ao telemóvel uns 45 minutos (sem pagar, graças ao tarifário). Estava entusiasmada com as suas poupanças e sabendo-me igualmente entusiasta, quis contar-me.

 

Quando realmente queremos poupar e trabalhamos para isso, as vitórias são importantes, mesmo que seja o momento em que finalmente acaba a fidelização de um contrato e temos menos uma despesa, mas também menos um serviço. Ainda assim, é emocionante.

 

Por isso também vos queria contar que hoje fiquei muito feliz porque consegui trocar um livro por um dicionário que servirá para a escolinha. E porque consegui trocar um livro (que já havia lido) por vários livros do Plano Nacional de Leitura para a outra escolinha.

 

E ainda porque descobri que não tinha noção das potencialidades do OLX (na perspectiva de compradora) para descobrir itens usados na minha freguesia - ADEUS PORTES DE ENVIO!

 

E porque descobri leite magro de nacionalidade portuguesa quando fui ao Minipreço. ;)

 

Aditado - Até o almoço foi uma oferta da D. a que só tive de juntar um sumo por €1.60

 

O dia correu-me bem. Como foi o vosso?

Mobiliário comprado fora do IKEA é mais barato?

A minha resposta é: pode ser, sim senhor/a.

 

A minha mãe precisava de uma cómoda grande: P40, L80, A100 ou mais ou menos estas medidas. 

 

Na faixa etária da minha mãe, quando alguém precisa de mobiliário, vai à Rua da Picaria (Porto). Aposto que muitas/os se identificarão com a noção de (ainda) ter as ruas de referência para comprar algo. 

 

Voltemos à cómoda.

 

Naturalmente pensei que, se bastava uma versão barata da cómoda, o barato é IKEA (pelo menos para mim). E lá fui ao site e havia uma interessante e mais barata e seguimos para a loja. Chegadas lá, constato que o transporte torna a peça tão cara como a cómoda em pinho, com entrega grátis. [O Ikea tem um serviço de entrega mais económico, mas a peça só pode ter 1 volume e menos de 30 kg]

 

Pausa para almoço e voltei com a minha mãe para a Picaria. No final, acabou com uma cómoda à medida, por €135 e com entrega grátis.

 

Isto serviu-me de lição. Por vezes ficamos agarradas a associações fáceis de onde é mais barato ou mais caro. O Ikea, devido ao transporte ficava mais caro e entre a primeira e a segunda loja (foi só atravessar a rua) o preço desceu €15.00. [Não estou sempre a dizer para comparar, comparar, comparar?]

 

Eu confesso que sinto um sentimento de perda por perder estas ruas, apesar de - hipocritamente - não as visitar com muita frequência. Mas eu não sou tão puritana que ache que o comércio tradicional tem de ser mantido só porque sim.

 

Uma pessoa que trabalha das 9 às 19 dificilmente terá como fazer compras no comércio tradicional. E este tem sido muito relutante a adaptar-se às novas realidades. Mas se calhar deixaria de ser comércio tradicional, não é?

De lixo a material escolar

Lixo que não é lixo... é material escolar (dependendo do ano):

 

- tampas que possam ser utilizadas como godés para guaches;

- conta-gotas de um medicamento qualquer (não me perguntem... mas pedem sempre isto e eu não sei porquê);

- farrapos;

- recortes de revistas relacionados com grupos (animais, alimentos, cores, formas,...) ou com datas (natalícios, ambiente, pátria e bandeira...);

- caixa de cartão para guardar material (geralmente caixa de sapatos).

 

Recordam-se de mais algum, para aditar à lista?

 

 

Pág. 1/4