Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

A minha relação com as coisas em época de saldos

Desde que comecei o meu percurso de eliminação de dívidas e, necessariamente de poupança, apercebi-me (de forma progressiva) do quanto o meu consumo era desperdício. 

 

As minhas tralhas eram duplicados, itens desnecessários, coisas que comprava e nunca chegava a usar, roupa a mais, comida a mais, gadgets a mais, livros a mais, DVD a mais. Todos os excessos consumiam dinheiro, espaço e energia para os manter (limpar, encontrar quando precisava deles, arrumar para encontrar aquilo que efectivamente necessitava).

 

Tem sido um processo lento, mas a minha relação com as coisas é cada vez mais consciente e desprendida. Ao destralhar passei a ponderar, cada vez mais, o que iria comprar. 

 

Mudança de paradigma. No dia que eliminei o último cêntimo da minha dívida, ofereci-me um presente: um conjunto de carimbos. Uma coisa tola, menos de €5.00 mas totalmente desejada e totalmente inútil. Passados uns dois anos, devem ter saído da caixa umas 10 vezes. Esta semana foram destralhados.

 

A roupa que estava anos no armário ainda com a etiqueta - aquela coisa baratinha dos saldos - foi progressivamente eliminada. Há três anos que estou a eliminar peça a peça, trocando-as pelos básicos em que me sinto mais confortável, mesmo que isso se traduza em parecer que estou a vestir sempre a mesma roupa.

 

Há seis meses que não compro roupa ou calçado. As poucas peças que comprei antes disso, foram aquelas que forçosamente tive de comprar para gastar cartões presente. Até aí fui frugal: cuecas porque vou sempre usar, um novo guarda chuva para substituir o que tenho, quando chegar a altura. O resto usei em presentes para outras pessoas.

 

Tenho um stock de 7 calças de ganga que vou conseguindo aos poucos. Nenhuma custou mais que €1.00, se comprada. Algumas troquei por coisas que não necessitava; custaram o que gastei em correios para enviar a troca, se esta não foi em mãos.

stock calças ganga.JPG 

Faço stock porque é difícil encontrar calças de ganga escuras e sem decorações. Faço-o porque tenho um plano de nunca mais comprar umas calças de ganga novas na minha vida.

 

Começo a acreditar que é possível traduzir isso noutras peças de vestuário. 

 

Eu não vou aos saldos.

9 comentários

Comentar post