Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Ainda a marmita, sempre a marmita

 

 

Tenho de confessar: estou a namorar esta lancheira. É tão linda! E que dizer das dimensões (ao contrário das que uso que foram feitas para congelados grandes), estreita e prática para levar até o lanche das miúdas. 

 

Sim, estou mesmo a namorar esta lancheira. Definitivamente um "quero" que é um "não preciso". Bolas!

 

Mas para quem precisa de materiais, definitivamente uma boa compra, embora quisesse sempre verificar se os plásticos das caixas interiores são livres de BPA (para serem seguros na utilização de microondas).

 

Este fim de semana preparo-me para cozinhar para a marmita ou congelador, tentando compensar algumas falhas minhas:

 

- vou fazer iogurtes caseiros na minha iogurteira;

- vou fazer compota de maçã (na máquina de fazer pão);

- vou cozer feijão preto para fazer um estufado com peru e legumes, para poder utilizar na confecção de burritos, para depois congelar (as tortilhas estão a passar o prazo de validade);

- vou fazer copos de aveia (basicamente consiste em colocar leite e aveia num copo e deixar no frigorífico);

- vou congelar brócolos (já cortados em pés menores, prontos a usar), depois de aproveitar a promoção no Pingo Doce (comprei cerca de 700 gr). 

Na verdade, uma boa parte das tarefas são de mera preparação, mas terão um grande impacto em futuras refeições. Com efeito, o facto de não jantar em casa tem resultado em gastos em almoços ou até em substituir almoços por pseudo-almoços (quanto pior o tempo, menor a probabilidade de eu sair para almoçar).

 

E é aqui que eu queria chegar:

 

Mesmo sem as sobras (intencionais) da noite anterior é possível fazer uma marmita:

- iogurtes caseiros e copos de aveia (com leite) são sempre uma boa fonte de proteína e os últimos têm fibra e são muito saciantes;

- com uma máquina de pão, é sempre possível fazer uma sande (muito mais saudável que os lanches ou croissants do café da esquina, certo menina Cristina?);

- levar fruta;

- levar bebidas (quentes ou frias).

 

E para não falar de refeições ultra rápidas que se podem fazer pela manhã em poucos minutos:

- massa cozida com brócolos e queijo mozarela (aquecer a água na  chaleira, colocar num tacho a massa e os brócolos até a massa cozer, escorro e coloco mozarela por cima)

- massa cozida com salsichas e natas (aquecer água na  chaleira, colocar num tacho a massa e numa taça as salsichas em água quente; escorrer tudo e colocar um pouco de natas e tempero, cozinhar as natas 1 ou 2 minutos)

 

- esparguete cozido com cogumelos (aquecer a água na  chaleira, colocar num tacho a massa até cozer, entretanto, numa frigideira antiaderente colocar cogumelos laminados com um fio de azeite e deixar dourar, aditar um pouco de vinho do porto e salsa (facultativo e a gosto); escorrer a massa e despejá-la na frigideira para absorver os sabores do cozinhar dos cogumelos);

- abrir uma lata de atum e uma lata de feijão frade ou grão de bico e temperar;

... 

 

Em suma, soluções de recurso, mas suspeito que mais saudáveis que a alternativa de rua.

 

Hoje, o meu almoço é massa espiral cozida com nacos de queijo mozarela.

 

2 comentários

Comentar post