Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Os custos de deixar andar... vamos falar de tarifários?

Apercebi-me, há uns meses, que o tarifário da minha mãe lhe estava a retirar dinheiro mensal ou trimestralmente. Fiquei com aquilo na cabeça: tenho de tratar disso (até porque o telemóvel e cartão estão no meu nome). 

 

E o tempo foi passando...

 

E hoje decidi tratar disso. Não só estavam a cobrar €1.50 trimestralmente (porque não fazia carregamentos de €10/mês e ela não gasta tanto) como as chamadas ficavam a €0.50/rede e €0.80/outras redes. Quê?!

A última alteração de tarifário pela minha mãe havia sido em 2011. Naturalmente, pelo meio foram as alterações de tarifários da própria operadora (não interessa qual).

 

Em suma, por não seguir o meu próprio conselho sobre rever tarifários de serviços que contratamos, eu custei à minha mãe algum dinheiro.

 

Então faço um lembrete a mim própria: salvo em situações de fidelização (em que eles raramente mudam o que for), rever anualmente as tarifas dos serviços que contratamos, procurando uma alternativa ou confrontando o prestador com essa alternativa, na esperança que ele ajuste o preço.  

 

Eu já sabia disto, até já escrevi sobre isto em 2013, mas aparentemente preciso de ser lembrada. 

 

Já agora, recomendo este artigo do Observador. É de Agosto de 2015, mas poderá ser um bom ponto de partida.

1 comentário

Comentar post