Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Perfis financeiros

 

Na pg. 24 do livro, escrevi "níveis sensatos", porque realmente, no que respeita a perfis financeiros, ou passos ou objetivos, nem sempre há sensatez e realismo.

A verdade é simples: quem tem milhões, não precisa de comprar este tipo de livros.

 

A autora defende (e bem, a meu ver) que antes de tudo, é importante avaliar o ponto de partida: situação financeira actual, registo de despesas, orçamento, património, dívidas. E cria 4 perfis financeiros:

 

Financeiramente saudável - consegue poupar mais de 20% do ordenado, ou do rendimento do orçamento familiar.

Finaceiramente equilibrado - coloca de parte entre 5% e 20%, sendo esta percentagem posta de parte para constituir mensalmente uma poupança.

Financeiramente pobre ou endividado - não consegue fazer qualquer tipo de poupança. Todo o dinheiro é canalizado para o pagamento de despesas e dívidas.

Financeiramente sobreendividado - gasta mais do que ganha e, por essa razão, já não consegue pagar as dívidas que tem.

 

Quando li estes 4 níveis ocorreu-me que gostaria de tivesse um outro, entre o "equilibrado" e "pobre" que traduzisse alguém que consegue poupar, mas também tem dívida.  

 

Continuo a achar importante que surja um discurso que seja diverso da "normalização da dívida".

O que vos parece? Identificam-se com um destes perfis financeiros?

2 comentários

Comentar post