Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Holly Butcher

Aposto que leram o título e pensaram... quem? O que precisam de saber, por mim, é que Holly Butcher tinha 27 anos, quando morreu com cancro, há 5 dias atrás.  

 

O resto, deixo para as suas palavras, que tentei traduzir, espero que sem cometer graves erros. 

 

Um pouco de conselhos de vida da Hol:

É estranho perceber e aceitar a mortalidade aos 26 anos de idade. É apenas uma dessas coisas que ignoras. Os dias passam e tu esperas que eles continuem a chegar, até o inesperado acontecer. Eu sempre me imaginei envelhecer, com rugas e cabelos brancos - provavelmente causados pela linda família (muitas crianças), que planeei construir com o amor da minha vida. Eu quero tanto isso que dói.

É isso a vida: é frágil, preciosa e imprevisível e cada dia é um presente, não um direito.

Tenho 27 anos agora. Eu não quero ir. Eu amo minha vida. Estou feliz .. Eu devo isso aos meus entes queridos. Mas o controle está fora de minhas mãos.

(...)

Eu só quero que as pessoas parem de se preocupar tanto com os pequenos stresses sem sentido e tentem lembrar-se que todos nós temos o mesmo destino, depois de tudo. Assim, faz o que puderes para sentir que o seu tempo vale a pena e é óptimo, menos a porcaria.

(...)

 

 

Um mundo mais feliz

“If more of us valued food and cheer and song ab

 

Investimento para pobres, segundo Bill Gates

Bill Gates não é só o homem mais rico do mundo (ou era), é também um filantropo que acaba de anunciar um investimento de 5 mil milhões (5.000.000.000) de dólares em projectos de desenvolvimento em África. 

 

Recentemente, escreveu no seu blog que, se vivesse com 2 dólares por dia (cerca de 1 bilião de pessoas vive com esse orçamento), investiria em galinhas.

 

Os seus argumentos são:

  • são fáceis e económicas de manter;
  • são um bom investimento (em carne, ovos e com bom potencial de multiplicação);
  • são uma fonte de saúde (porque os ovos são ricos em proteína e nutrientes, podendo ser uma forma de combater a má nutrição que é uma realidade para muitos);
  • são uma forma de empoderar mulheres (porque são uma animal pequeno, de fácil manutenção e que geralmente é criado junto à habitação).

Por falar em investimentos, é precisamente um dos projectos da sua fundação: conseguir aumentar o mercado/sistema de galinhas vacinadas e adequadas ao local onde estão instaladas, ao mesmo tempo que cria condições para que agricultores tenham um mercado para a sua produção de ração de galinhas. 

 

As galinhas como ferramenta de combate à pobreza não é uma ideia nova, mas é boa.