Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Ponto da situação... olá sapinhos!

21.11.22

1.

Finalmente instalei o Descontos numa página "aprovada" pela Google Adsense. Não sei se foi a transferência ou sinal dos tempos, mas está a "render" menos de 1€ por dia.

 

Ou seja, depois pagar os 60 €/anuais do alojamento (em promoção), vai ser só lucro...

facepalm (1).JPG

2.

Finalmente, o carro foi para reparar. O FGA atrasou o procedimento 2 meses. Razão do atraso: estavam à espera da participação da PSP.

facepalm (2).JPG

3.

Finalmente, um dos cursos de formação em que me inscrevi, EFECTIVAMENTE abriu. Não é nenhum dos que indiquei aqui. Infelizmente, não paga subsídio de alimentação.

 

Mas estou a A-D-O-R-A-R!

 

4.

Fiz quase 200€ de vendas na VINTED, a vender bonecas que apanhei no lixo e uma caderneta de cromos dos anos 80.

(o próximo post vai explicar isso, prometo)

 

5.

Finalmente, mudei de seguro automóvel (aquele que não propiciou qualquer ajuda no acidente que tive). Prescindi da cobertura de furto ou roubo (que só cobria 1000€) e poupei mais de 90€/ano.

Passei da Seguro Direto para a Tranquilidade.

 

Esse valor, mais as vendas que fiz recentemente, permitiram-me recuperar mais de metade do valor gasto com o meu cilindro.

IMG_20221024_033815.jpg

Só a mim...

18.10.22

Vou contar-vos uma história de três condutores:

 

o João e o António (nomes fictícios), decidem brincar aos carrinhos de choque e têm um acidente; o João, que não tinha carta ou seguro, decide dar ao frosques e deixa lá a viatura;

o António culpa o João do acidente

nem o João, nem o António culpam a Cristina (nome verdadeiro), porque ela nem estava no carro dela, que estava sossegadamente estacionado

 

porque todos gostam de trabalhar pouco...

... a seguradora do António  chuta para o Fundo de Garantia Automóvel

... a seguradora da Cristina chuta para o Fundo de Garantia Automóvel

... (dois meses depois)... o FGA chuta para a seguradora do António

 

a Cristina ainda não sabe qual é a decisão da sua seguradora, mas a julgar por experiências passadas, não está optimista

 

 

Depois de quase dois meses, o FGA conclui que o condutor sem carta não é o culpado pelo acidente. O outro condutor discorda e vai recorrer.

E assim continua a saga...

Sou trabalhadora independente... mas não muito

14.10.22

brett-jordan--AWU0f2yH_k-unsplash.jpg

É oficial.

 

Abri actividade como trabalhadora independente. Imediatamente segui a recomendação da Ana (aqui nos comentários) e passei a seguir contabilistas no IG, para me ir familiarizando com as novas regras que surjam [a @acontabilista.pt, por exemplo].

 

O processo (digital) foi fácil e sendo a comunicação à segurança social automática, a minha intervenção foi mínima.

 

No dia seguinte, enviei o comprovativo para dois cursos de formação em que tinha feito pré-inscrição.

As opções foram dois cursos pequenos, em que pudesse testar os horários e a conciliação com actividades como fazer/dar o jantar e deitar a minha mãe. 

 

Escrita criativa (25 h)

Este curso foi escolhido para a minha própria saúde mental. Uma das desvantagens em estar sozinha com uma pessoa com um vocabulário reduzido (ou simplesmente conviver menos) é que começo a sentir o MEU vocabulário a reduzir; uma espécie de sentimento de esforço adicional para encontrar a palavra certa.

Assim, penso que um curso, uma convivência (ainda que virtual) em que o objectivo seja melhorar o uso da palavra, será benéfico para mim.

 

Micronegócios (25h)

Tinha vários interesses a prosseguir, mas este ganhou por começar às 20:30 (elimina a interrupção do jantar), em vez de 18h ou 19h.

O meu objectivo é colocar-me num espaço mental mais estruturado para monetizar algumas competências.

 

Também me inscrevi numa bolsa Santander, mas com sessões síncronas (de presença obrigatória) em que não adiantam os horários ou datas, fico algo insegura.Inscrevi-me noutros, mas estes são os mais prováveis de arrancar.

 

Paralelamente, os últimos dias têm sido de familiarização com alguns canais de Youtube que são verdadeiros cursos sobre algumas ferramentas informáticas.

E ontem apercebi-me que há uma oportunidade em webinars de diferentes fusos horários. Por exemplo, assisti a uma sessão das 7h-8h. É um horário excelente, para mim.

 

E assim começa um novo capítulo na minha vida e, provavelmente, neste blog.

Mudar para o mercado regulado de gás natural

23.09.22

 Guiagas_mercado regulado.JPG

A partir do dia 7 de setembro de 2022, todos os clientes (consumidores domésticos e pequenas empresas), cujo consumo anual de gás não ultrapasse os 10 000 m3, podem, se assim o pretenderem, celebrar um contrato de fornecimento de gás natural com o Comercializador de Último Recurso (CUR) da sua zona geográfica (consultar lista no guia).

 

O comercializador trata de todo o processo de mudança, sem custos adicionais  e outros ónus ou encargos para os consumidores e sem a interrupção de fornecimento de gás natural.

Se estiver no período de fidelização, poderá mudar de fornecedor, mas terá de pagar a penalização (consultar factura/contrato).

O processo de mudança é simples e a única coisa que deve fazer é mesmo contactar o comercializador.

E o centro de emprego?

15.09.22

kelly-sikkema-TvZnwqY_Xsc-unsplash.jpg

Kelly Sikkema - Unsplash

1. Tentei inscrever-me no centro de emprego para aceder a cursos de formação financiada - queria melhorar as minhas competências em excel avançado e bases de dados.

Para me inscrever em cursos de formação financiada exigem comprovativo de emprego (dependente ou independente) ou declaração de desemprego pelo IEFP)

2. O formulário online é uma porcaria e tive de "mentir" porque as opções não permitem dizer o que fazia, porque deixei de fazer e o que queria....

3.  O centro de emprego exigiu que comparecesse presencialmente e quando expliquei as minhas circunstâncias (cuidadora) e pedi para fazer a entrevista por videoconferência, responderam-me que: "os candidatos inscritos no Centro de Emprego têm deveres para com a nossa instituição...". (*)

4. Expliquei-lhe que sei muito bem quais são as minhas responsabilidades e cancelei a minha inscrição. Menos uma para as estatísticas.

 

(*)

Eu nunca recorri a uma baixa médica, a subsídio de desemprego ou afim.

Os termos do email que recebi e a falta de apoio com que esbarrei, deixou-me emocionalmente esgotada, ao ponto de ter uma crise de choro (não se preocupem, já passou). 

A situação de desemprego já é difícil, seja por qual motivo for, mas é demolidor ser tratada como "parasita".

Medidas de apoio extraordinário de combate à inflacção e aumento da energia

05.09.22

1 (90).JPG

O Conselho de Ministros aprovou hoje (05.09.2022) um conjunto de medidas excecionais para apoiar de imediato o rendimento das famílias tendo em vista a mitigação dos efeitos da inflação e do aumento dos custos energéticos:

 

  • A atribuição de um pagamento extraordinário no valor de 125 euros* a cada cidadão (activo) não pensionista com rendimento até 2.700 euros brutos mensais;

  • A atribuição a todas as famílias, independentemente do rendimento, de um pagamento extraordinário de 50 euros por cada descendente até aos 24 anos que tenham a seu cargo;

  • O pagamento aos pensionistas de 14 meses e meio de pensões, em vez dos habituais 14 meses (a meia pensão será paga no mês de Outubro);

  • Prolongamento da vigência até ao final do ano da suspensão do aumento da taxa de carbono, da devolução aos cidadãos da receita adicional de IVA, e da redução do ISP.

 

Para o ano de 2013, ser proposto à Assembleia da República, para aprovação:

 

  • Limitação a 2% da atualização máxima do valor das rendas das habitações e das rendas comerciais, no ano de 2023; 

  • Criação de um apoio extraordinário ao arrendamento, através da atribuição de benefício fiscal sobre rendimentos prediais; 

  • Redução do IVA no fornecimento de eletricidade dos atuais 13% para os 6%, medida em vigor até dezembro de 2023.

  • Aumentos das pensões, em 2023, de 4,43% para pensões até 886 euros, de 4,07% para pensões entre 886 e 2.659 euros; e de 3,53% para as outras pensões sujeitas a atualização.

 

O Governo determinou ainda o congelamento dos preços dos passes dos transportes públicos e dos bilhetes na CP durante todo o ano de 2023.

 

*“a todos os que são contribuintes em IRS, àqueles que em função dos seus rendimentos estão isentos de pagar IRS ou de apresentar declaração de IRS“
 
*Abrange trabalhadores por conta de outrem, quem trabalha a recibos verdes, desempregados, cuidadores informais ou quem recebe prestações sociais, como o RSI."

https://www.publico.pt/2022/09/05/economia/noticia/cheque-125-euros-chega-outubro-recebe-ano-ate-37800-euros-2019493

Partilhar vendas?

05.09.22

Vendi a um preço ridículo: 20€ e ainda ofereci o capacete. Foi mesmo para desocupar.

 

Mais que uma pessoa me pediu para divulgar as minhas vendas. Sempre resisti porque não queria incentivar o consumo e/ou expor-me excessivamente, mas confesso que me debati muito com essa questão, nesta venda em particular.

 

Eu tinha consciência de que o preço era baixo e isso reflectiu-se nos contactos e a venda em dois dias.

 

Por isso, fiquei com uma espécie de amargo de boca, por não dar essa possibilidade, a quem me lê e que, por esse motivo, será uma pessoa com especial motivação (e/ou necessidade) para a poupança.

 

Até porque, também dou itens gratuitos (num grupo local do FB), simplesmente para desocupar.

 

Por exemplo, recolho muita roupa na rua. As lojas solidárias estão atoladas e, por vezes, nem nos grupos vêm recolher.

Eu doei estas sapatilhas. Pagariam portes de envio para as receber?

IMG_20220820_181106.jpg

Posso estar a criar mais problemas para mim, do que necessito.

Por exemplo, reclamarem que afinal o produto não vale os portes, que é contrafação (eu não tenho como saber isso) ou algo do género.

 

Mas a mudança de estação está aí e eu sei que vão ser sacos e sacos de roupa e calçado, pelas ruas.

Vendi a bicicleta

05.09.22

IMG_20191006_095437_348.jpg

O plano era reparar e aproveitar os kms de ciclovias à porta de casa.

Mas ser cuidadora é um trabalho a tempo integral e, depois de perder o espaço em que estava armazenada, tive de a colocar no corredor da casa, onde era um obstáculo.

 

Vendi a um preço ridículo: 20€ e ainda ofereci o capacete. Foi mesmo para desocupar.

 

Frequentemente me perguntam como vender de forma mais eficiente as tralhas lá de casa e onde. 

 

Vendi a bicicleta no Facebook Marketplace, mas prefiro o OLX

É a que prefiro, mas depende muito do item. Por exemplo, no seu caso, recomendaria também o Marketplace do Facebook (nem que crie uma conta só para vendas) para poder partilhar o anúncio em grupos de vendas locais e especializados.

O objectivo é divulgar ao máximo e localmente, especialmente em itens grandes e frágeis.

 

O Custo Justo é também uma plataforma nacional e generalista, mas depois há locais de venda específicos, como o TradeStories para livros ou grupos locais e especializados no Facebook, onde é possível divulgar anúncios.

 

O VINTED  é muito prático, desde que  respeitem os pesos das embalagens. Como há vários locais de entrega, até pode ser uma alternativa interessante para quem não tem possibilidade de ir aos CTT.

 

Uma das coisas que recomendo é que TIRAR BOAS FOTOGRAFIAS, que destaquem o produto.
Iluminar bem (de dia, mas sem sombras) e tirar fotos de áreas mais problemáticas e/ou defeitos.

 

Fotografar os defeitos: se eu disser que o item tem "este" defeito, as pessoas fazem o raciocínio: é honesta, só estes defeitos eu aceito; se ela mostrou estes defeitos, o resto está bom.

Pode parecer preciosismo, mas isso vai alterar o momento da decisão.

Uma coisa é decidir ir ver a coisa e no local vemos se compensa ou não; poucas pessoas saem de casa só para ir ver; até porque não queremos ir para dizer não ao vendedor.

Outra coisa é ver todos os pormenores e aí a decisão é tomada de imediato e só haverá mudança de opinião se o produto não estiver como nas fotos.

Por isso, para mim, as fotos são muito importantes, não só pela transparência como pela psicologia associada à venda.

 

Infelizmente, o dinheiro da bicicleta não chegará para pagar a madeira que vou necessitar para fazer umas prateleiras para os livros, mas decididamente terão mais uso e me darão mais prazer.