Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário visual

Descontos, 08.07.20

DSC_000b.jpg

Quando era pequena, o tanque comunitário era o espaço mais desejado no verão.

Quando nos era permitido acesso livre, era a piscina dos nossos sonhos. Era enorme. Cabíamos todos.

É estranho ver espaços tão gigantes na minha memória e descobri-los tão pequenos.

 

A Ana de Deus começou uma tag com objectivo de documentar (e incentivar) o verão. Ao mesmo tempo, sem saber, eu começava um diário visual para tentar "abrandar o tempo".

 

Parece que não sou só eu a sentir essa sensação de tempo a correr.

Segundo a ciência, é uma consequência de reduzirmos as nossas vidas ao mínimo, com rotinas mundanas, sem nada de particularmente memorável que ajude a marcar o tempo.

 

Por isso, tento incluir na "agenda" coisas como caminhada, lixandar e tento criar um diário visual para me "obrigar" e ser intencional a criar momentos dignos de registo visual.

 

É por isso que também tenho tentado assistir peças de teatro online ou ouvir conferências em directo. Ou então ouvir sessões de tutoriais sobre determinada plataforma (desenvolvimento pessoal).

Tudo com hora e dia marcados.

 

E agora vou jantar, para não me atrasar para a conferência. :)

 

Hoje:

21:30 - No facebook do Município de Oeiras e da UCCLA, uma conversa com o escritor Germano Almeida.

Roupa usada - um mundo escondido

Descontos, 05.07.20

1.

Passei pelas caixas, junto aos contentores de reciclagem e disse: não páro, não me posso responsabilizar por tudo.

Mas o diabo do sinal ficou vermelho e pronto...

2.jpg

7 sacos de roupa de 3 tamanhos diferentes, separados, doados.

 

2.

Esta semana, numa loja solidária, ouvi um funcionário ao telefone a tentar não aceitar mais roupa de inverno, porque não tinha onde colocar e ninguém queria roupa de inverno.

Comprei 2 casacos de fato de treino + 1 top por 1.50€ (total).

 

3.

Passei ontem à tarde por mais sacos de roupa. Felizmente havia uma fila de carros atrás de mim. Continuei.

 

4.

Neste momento, estou vestida apenas com roupa comprada em lojas solidárias ou recolhida na rua.

 

Só quando comecei a recolher esta roupa da rua é que tive consciência do volume extraordiário de roupa que é colocada no lixo.

 

A fast-fashion é considerada a 2ª indústria mais poluente do planeta. É uma fonte de trabalho escravo. Com a pandemia, as grandes marcas da fast-fashion não pagaram encomendas já feitas, deixando os mais pobres, ainda mais pobres.

 

A primeira e única encomenda que fiz na Sportzone não foi o que esperava. Ou melhor: não deveria ter esperado o que recebi? Barato. Produzido na China. Expedido da Espanha.

 

Usar o que se tem. Comprar usado. Comprar nacional. Comprar menos.

Diário das minhas finanças pessoais - Junho 2020

Descontos, 03.07.20

Como andam essas despesas mensais?

As minhas bem e recomendam-se.

desp.JPG

E perguntam... mas ainda não mudaste de rede tlm? Pois...ando esquecida, é o que é!

O supermercado está a voltar a níveis normais.

Já as maluquices, foi o saco onde enfiei muita coisa que não deveria estar aqui. Tenho que revisitar as rubricas e adequá-las a algumas alterações.

 

poup.JPG

Já as poupanças deste mês, foram excelentes, atingindo 50% do meu salário, o que é o meu ideal.

Se bem que estou a fazer um pouco de batota porque a saúde e o carro não são, na verdade, poupanças, mas despesas anuais para as quais estou a guardar a verba necessária.

 

Julho à vista

- espero que a máquina de lavar louça volte reparada (com a conta);

- se tudo correr bem, vou fazer uma pequena, mas importante obra na casa de banho, orçada em €1230;

- vou comprar uns patins usados para uma sobrinha, 15 €;

- vou gastar alguns dinheiro na reparação da bicicleta para outra sobrinha;

- quero reforçar o stock de bens alimentares e vou aproveitar as melhores promoções de cada semana de modo a poupar.

 

Por isso, acabaram-se as maluquices.

Julho é mês de apertar o cinto em tudo que não seja essencial. Preciso de poupar o máximo possível para a obra que, já de si, vai "comer" o meu fundo de emergência... outra vez.

...

Descontos, 21.06.20

The Cycle of Improvement:

1. Awareness - identify what you need to improve.

2. Deliberate practice - focus your conscious effort on the specific area you want to improve.

3. Habit - with practice, the effortful becomes automatic.

4. Repeat - begin again.

 

James Clear

Diário de consumo de açúcar

Descontos, 18.06.20

Ontem decidi abordar o meu problema com o consumo de açúcar como abordo as minhas finanças pessoais: fazer um levantamento do que consumo e avaliar onde posso reduzir.

 

Peço que não vejam os dados abaixo como algo mais que um rascunho. Ainda tenho de verificar alguns valores.

 

Também não pretendo que seja um exercício de rigor... é uma ferramenta.

 

Encontrei uma informação da OMS e da DGS que recomendavam que o total diário de açúcar adicionado aos alimentos não deveria ultrapassar as 6 colheres de chá de açúcar (informação que ainda quero validar). Ou seja, não estamos a falar de açúcares naturais com os que encontramos na fruta.

1.JPG

Fazendo um registo dos meus consumos, apenas num dia, rapidamente percebi que o recomendado é MUITO pouco, face ao que consumo habitualmente.

Aliás, este é um dia muito soft, que começou comigo a resistir a uma belíssima bola de berlim com creme, ao pequeno-almoço. E a uma barra de chocolate depois do almoço. E a um croissant ao lanche. E a umas pipocas depois do jantar. E aqui estamos...

Dei-me permissão

Descontos, 10.06.20

Hoje é feriado!!!

E amanhã é feriado!!!! *

james-padolsey--ti35UoaEIE-unsplash.jpg

Hoje dei-me permissão para não fazer nada. Há pouco descuidei-me e ia começar a remendar um saco de rede para lavar roupa. Quase... apanhei-me a tempo.

 

Finalmente experimentei cozinhar alho francês à brás. É ridículo nunca o ter feito antes. Adoro!

1.jpg

 

Deite-me no sofá com uma taça de morangos e vi o filme Pedro e Inês. Depois li algumas páginas de um livro. E rapidamente chega a hora do lanche.

 

Vi uns vídeos no You Tube (BLM) e já é quase hora do jantar.

 

Jantar com You Tube. Subscrevi um canal de um senhor que faz jardinagem com veículos telecomandados - tem uma colecção de pimentos.

Há qualquer coisa de mágico, numa pessoa que leva tão a sério um passatempo.

 

* Não é para todos, eu sei.

Mas eu sempre gostei de trabalhar nos feriados, porque só trabalhava em fins de semana e feriados. E como ganhava à hora, era sempre um dia em que ganhava mais pelo mesmo número de horas.

A poupança não é uma linha recta

Descontos, 09.06.20

1.JPG

Num artigo do Bored Panda, descobri que a Inglaterra é conhecida pelos seus muros ondulantes. Pesquisem por "crinkle crankle garden walls" e deliciem-se com imagens de caprichosos muros a serpentear pelos jardins.

 

Por estranho que pareça, a forma dos muros deve-se à sua eficiência de recursos: um muro ondulante gasta menos tijolo que um muro em linha recta. Em linha recta, com tijolos tão estreitos, tombaria.

 

Achei que estes muros eram uma excelente metáfora para a poupança:

1.

A poupança nem sempre é uma linha reta, que seguimos do princípio ao seu objectivo final. Com frequência, precisamos de andar devagar, por vezes aos círculos, com tentativas e erros e até recuando para retomar outra vez.

2.

Por vezes, a poupança é apenas aparente. Quando gastamos dinheiro em coisas baratas, muitas vezes isso leva-nos a gastar em coisas inúteis ou que se vão deteriorar rapidamente. Assim, a linha recta do comprar barato, torna-se mais caro.

3.

A poupança obriga-nos a utilizar da forma mais eficiente os recursos que temos.

Uma pessoa sem a intencionalidade de procurar poupar, simplesmente faria um muro maior e provavelmente muito mais dispendioso.

Atirar dinheiro a um problema, raramente conduz à poupança.

Família de risco

Descontos, 08.06.20

engin-akyurt-9nrc57bkWYM-unsplash.jpg

Eu desinfecto superfícies, compras, nunca entro dentro de casa da minha mãe com calçado da rua ou roupa da rua.

Não saio para lado nenhum a não ser para o trabalho e mesmo aí meto-me no meu gabinete.

 

Hoje chego a casa da minha mãe (doente de alto risco) e tenho lá metida a famelga do meu pai. E ainda só não veio a da minha mãe, porque as fronteiras estão fechadas.

 

Algo me diz que o covid vai encolher consideravelmente o número de pessoas que entendo por "família".