Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Kiva - o meu turno de banqueira

Hoje fui espreitar o meu saldo no KIVA e tinha $36. Aproveitei para fazer mais um micro-empréstimo. 

 

Talvez sugestionada pelas notícias de que as famílias portuguesas gastavam mais, quando o Estado faz cortes na saúde (e nos cortes eu incluo as cativações, inadmissíveis num Estado de Direito), procurei empréstimos relacionados com a saúde e em que houvesse duplicação do meu empréstimo.

 

Sem qualquer surpresa, encontrei vários pedidos para custear despesas médicas. Que tristeza e eu a adiar, sem razão, fazer exames médicos.

 

 

Aquela lista de resoluções de ano novo...

Ontem, estava a rever/reflectir sobre alguns comentários e fui espreitar o blog da T.. O texto mais recente era sobre as resoluções de ano novo, que vamos esquecendo ao longo do ano

 

Ontem, fiz um telefonema que anda a adiar (não de forma intencional) há imenso tempo. Quando me lembrava não era oportuno e quando era oportuno, não me lembrava. E assim vão ficando os telefonemas mais importantes: como estás?

 

Estou seriamente a considerar colocar um telefonema semanal na agenda. Para quem? Para amigas/os e família, que vão ficando esquecidos.

 

Hoje, peguei na agenda e fiz um telefonema para marcar uma consulta na dentista, algo que andava a adiar há meses. Uma das duas tarefas, de saúde, que ando a adiar há meses.

 

Hoje, não lavei janelas e postigos, mas lavei a porta. Amanhã irei lavar as janelas e postigos, depois de chegar do trabalho (já agendei).

 

Na 5ª feira, vou ao posto médico para marcar uma consulta e tratar dos exames que tenho de fazer. 

IMG_20180911_213934_329.jpg

Como diria a T., "faltam ainda cerca de 4 meses para acabar este ano e, sinceramente, posso ainda atingir alguns objetivos e tornar-me numa pessoa mais feliz e orgulhosa".

Planear o futuro que se deseja

Mas ele tinha um hábito enervante de acertar com os seus palpites. Lessa corrigiu-se de novo. Ele não fazia palpites. Estudava. Planeava. Pensava e depois usava o bom senso. (...) Lessa começou a sentir-se melhor quanto ao futuro. 

 

O Planeta dos Dragões 2, Anne McCaffrey

 

Eu tenho uma natureza fatalista, com isso quero significar que apesar de desejar estabilidade e estrutura, tendo a sentir-me num vórtice de caos e inevitabilidade, como se nada que eu fizesse alterasse o resultado final das coisas. Os planos são fúteis porque algo os vai deitar por terra. 

 

É assim na minha vida financeira e profissional (e naturalmente as duas estão interligadas). 

 

Teoricamente eu sei que a minha ideia de fatalismo não é real, mas há um trabalho interior diário para contrariá-la. Tenho consciência que é por isso que gosto de listas e cadernos de notas e blogs. São tentativas de dar ordem à desordem, de organizar a mente. 

 

Eu sei, fruto da minha experiência pessoal, que se planear determinadas tarefas ou objectivos isso elimina o caos e a minha ansiedade. 

 

Por isso, tenho de resistir à procrastinação, que é resultado da minha natureza fatalista e fazer aquilo que tenho de fazer, seja uma tarefa profissional ou uma que resulte em poupanças.

 

É assim, por exemplo, quando:

- planeio as refeições e os lanches a meio da manhã e da tarde, que levo para o trabalho;

- planeio as compras de presentes;

- compro vestuário usado, quando ele surge a bom preço, em vez de comprar apenas quando preciso;

- compro livros para as minhas sobrinhas, usados e à medida que vão aparecendo, mas com as metas curriculares em mente.

E poderia continuar...