Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Gastar o que se tem

Descontos, 15.05.13

É assustador continuar a ver pessoas a fazer cartões de crédito em shoppings. Uma prática comercial que já data há anos e que é para mim cada vez mais inconcebível.

 

Não compreendo milhares de pessoas a gastar dinheiro com bilhetes e viagens para ver futebol. Haverá mesmo uma franja da população que vive sem diminuição dos rendimentos, sem preocupações financeiras? Imagino que sim e tento esforçar-me por não fazer juízos de valor. Eu não sou uma delas, aparentemente e não consigo conceber como outros não estão tão preocupados/as como eu.

 

Continuo a entender que utilizar créditos bancários, neste momento, é arriscado. Aliás, cada dia que passa, as notícias multiplicam-se em evidenciar que é cada vez mais arriscado.

 

Diminuir o risco de problemas financeiros em tempo de crise económica é:

 

- viver com o que se tem e adiar todas as despesas supérfluas;

- não realizar despesas que impliquem o recurso a crédito;

- realizar uma honesta análise da situação financeira;

- não ignorar o problema se ele existir.

 

 

 

While money can't buy happiness, it certainly lets you choose your own form of misery.” 
― Groucho Marx

 

 

[Embora o dinheiro não possa comprar felicidade, certamente permite que possa escolher a sua própria forma de miséria.]

8 comentários

Comentar post