Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Acho que sou espartana

Descontos, 15.02.13

Nesta coisas de orçamentos, há sempre uma grande dose de subjectividade. O meu é precisamente isso, "meu". Reflecte os meus consumos, as compras que faço para mim mas também para outros; com efeito há várias promoções que só aproveito para doar os produtos a familiares porque não os consumo.

 

Todavia, tenho plena consciência de que se poupa consideravelmente quando simplificamos a alimentação.

 

 

1) Comida pré-preparada

 

É fácil comprar comida pré-preparada, mas inevitavelmente mais caro. A única comida processada que possuo neste momento são hambúrgueres de salmão (que comprei para experimentar e porque me davam €10.00 quando me custou apenas aprox. €3.50) e delícias do mar.

 

Mas não prescindo das facilidades e por isso é que adoptei a prática de cozinhar para congelar. Há semanas, em que consigo não cozinhar 3 dias em 5, recorrendo a estratégias de aproveitamentos e refeições que congelei.

 

2) Consumos sazonais ou em unidose

 

Eu não como iogurtes a não ser em tempo quente e mesmo esses são feitos por mim. Cereais apenas no verão (com excepção da aveia que é para tempo quente). Não compro temperos como caldos de carne e coisas que tal ou molhos diversos. 

 

Não compro sobremesas excepto gelados no verão e mesmo esses são raros porque possuo uma sorveteira.

 

Não consumo queijo ou fiambre (raríssimo) com regularidade e são raras as ocasiões em que compro algo da charcutaria (talvez uma alheira de 3 em 3 meses).

 

Não compro refrigerantes (excepto uma rara lata de Coca-Cola) ou bebidas alcoólicas. Mas vou comprando o necessário para as saídas com a pequenada. 

 

3) Os gastos com as visitas

 

É precisamente com as visitas que acabo por gastar mais. Um aniversário, um naco de presunto, bolachas, sumos. E é nestes itens que tento antecipar e aproveitar as melhores promoções.

 

 

 

Em suma, sou algo espartana nos consumos e isso - notei já - tem-me ajudado a poupar não só na carteira como na saúde.  

 

E agora poderiam perguntar-se se "ando a cortar para poupar" e se "como pior". Não, ando a cortar para poupar mas na saúde (os meus problemas crónicos com o estômago estão reduzidos aos momentos de excesso e em que como num restaurante qualquer) e como muito melhor.

 

Antes de começar a simplificar a alimentação:

 

- as peças de fruta eram quase todas reduzidas a um cacho de bananas da Madeira quando havia e um sumo de laranja natural ao fim de semana;

- eram raros os legumes que comia;

- raramente comia sopa, mais raro ainda a fazia;

- recorria com frequência a take away e comidas ultracongeladas;

- com frequência saltava refeições;

- comia com frequência sobremesas compradas.

 

Hoje:

- só como carne branca e peixe;

- como fruta todos os dias e por vezes mais que uma vez por dia (tento resistir às preferidas - a banana - e alterno, no mínimo, semanalmente as frutas; vou alternando também consoante as promoções);

- faço sopa com regularidade;

- como diversos legumes - descobri depois dos 35 que adoro couve bruxelas e brócolos (ADORO brócolos);

- raramente como fora de casa (excepto quando levo a minha marmita) e quando isso acontece, tenho cuidado com o que escolho.

 

Dieta? Não. Nunca fiz, apenas passei a ser mais criteriosa no que como. Mas ponham-me um saco de M&M´s com amendoim à frente e irei comê-lo de uma assentada e sem qualquer sentimento de culpa.

As contas à la cempercente

Descontos, 15.02.13

Estava ontem a namorar com o meu registo de despesas (1ª quizena de Fevereiro) e saiu qualquer coisa assim:

 

Valor facturado: €161,22

Valor creditado em Cartão Continente (como resultado dessas compras): €109.59

Valor pago com Cartão Continente: €132.26

 

Valor saído de bolso: €25.84

 

E isto engloba todas as compras nos últimos dias, incluindo as fora do Continente e o leite para os próximos 30 dias. ;)

É só loveeee

Inspiração

Descontos, 15.02.13
Paying off our debts is pain with a purpose. 

As Dave Ramsey is fond of saying, “Live like no one else now, so you can live like no one else later.”

When it comes to eliminating your debts and saving money, there are probably things that seem painful to you. Organizing, budgeting, couponing, taking on extra jobs, and making sacrifices can be a challenge.

Change is painful at times. No one said it would be easy. But remember, it’s pain with a purpose. Keep your eyes on your goals, and remind yourself how far you’ve come. 

Os cartões de crédito

Descontos, 14.02.13

A minha situação actual é de zero gastos no cartão de crédito e percentagem de pagamento (para compras futuras) de 100%.

 

Porém e neste clima de austeridade e de crise de crédito, a incúria dos bancos continua. A título exemplificativo, a carta de recebi em Dezembro do meu futuro ex-banco dizendo-me que:

"se optar por uma percentagem de pagamento diferente de 100%, devolvemos a totalidade dos juros pagos em dezembro" e mais, "se fizer pelo menos 10 compras até 31 de dezembro com o seu cartão XPTO, recebe €20.00 na conta cartão!".

Ou seja, ainda com uma dívida para pagar nos próximos 7 meses e na mais gravosa crise económica das últimas décadas, o meu banco incentiva-me a fazer compras com o meu cartão de crédito e a optar por um pagamento que crie juros de 26%.

Realmente, posso não ser a melhor gestora de finanças pessoais, mas não sou idiota.

Comprar bem e dinheiro mal gasto

Descontos, 13.02.13

Quando comprei o meu actual telemóvel fi-lo porque "precisava" de um telemóvel com sincronização com o Outlook para melhor gerir a transição entre duas actividades profissionais. Era suposto manter todos os contactos e a agenda, xpto, o mono nunca funcionou em condições e por muito que configurasse aquilo duplicava sempre os contacto num sítio ou outro e basicamente nunca me serviu de nada. 

 

Há 4 anos custos €80.00, foi o mais económico para as definições que estabeleci para ele. O meu primeiro telemóvel com câmara, se a memória não me falha.

 

Se tivesse de comprar hoje um - o que não planeio fazer - haveriam muitas ofertas por onde escolher. Ofertas sensatas e realistas para quem aufere o meu salário e para quem lhe dá o uso que dou.

 

Dois exemplos apenas para situar. Já vi diversas promoções em que contra um carregamento elevado o telemóvel fica grátis ou perto disso.

 

Ex1 no site da Phone House (terminou em 30/01): 

 

 

Ou seja, preço inicial €39.99 - 50% de desconto imediato = 20.00 = 19.99

 

Com jeitinho ainda aproveitavam os €2.50 de carregamento.

 

 

Mais, sabiam que a Phone House tem uma política de "preço mínimo garantido"? Se encontrarem mais barato (há algumas condições) dão 110% da diferença (cfr. rodapé da pg. 44 do catálogo de Fevereiro).

 

 

Em suma, há diversas formas de gastar o dinheiro. Se querem comprar um telemóvel XPTO ou outra coisa qualquer, façam-no. Mas façam-no de forma consciente, com uma boa promoção, para maximizar os vossos rendimentos.

 

É possível não gastar

Descontos, 12.02.13
A prova de que é possível poupar se conscientemente escolhermos não gastar está nos últimos dois dias. É chato andar sempre com a marmita e ter o trabalho de preparar e antecipar. Pode ser, mas na verdade, comparando velhos hábitos com novos, poupei consideravelmente. 
2 x €1.50/dia - pequeno-almoço (café + bolo)
2 x €1.50/dia - lanche (café + bolo)
2 x € 8.00/dia - almoço
Ou seja, por dia estava a gastar cerca de €10.00. Se multiplicar isso por 22 dias úteis são €220.00 - um valor absolutamente surreal. É cerca de 1/3 do meu salário. 
Está provado, hábitos como levar almoço e lanche para o trabalho, são hábitos de poupança.

Vale bem o investimento numa thermos, não?

Poupança no posto médico...ou não!

Descontos, 11.02.13

Juro que quando saí de casa para ir buscar uma receita para vacina da gripe não pensei que em 1/2 hora iria conseguir poupar mais cerca de €50.00. 

 

Vamos a contas. A vacina da gripe foi-me oferecida porque tinha sobrado de um lote (uma espécie de oferta de aproximação de fim de validade) e poupei tempo e dinheiro (aproximadamente €5.00).

 

Depois, aproveitei para pedir a pílula anticonceptiva, foi-me fornecida para para um ano: €11.85 x 4 caixas = €47.40

 

Eu confesso que detesto ir ao posto médico apenas para ir buscar a pílula anticonceptiva. Por inércia acabo por comprá-la. Iria fazê-lo esta semana.  Mas realmente, pensando bem, parece-me um desperdício de recursos já pagos e parece-me muito prático.


Problema: cheguei a casa e vi que a pílula tinha como validade 09/2012.

Sinais de problemas financeiros - 15 sinais

Descontos, 11.02.13

Hoje recebi este fantástico post no meu feedly do blog Budgets are Sexy que se traduz como: orçamentos são sexy. Um título absolutamente brilhante, na minha opinião.

 

Reconheço que as evidências que são elencadas no post são mesmo reflexo de problemas instalados (contas com avisos de atraso de pagamento - que não são resultado de esquecimentos, claro; devedores à porta, estar à espera do dia pagamento do salário para pagar as contas do mês, pedir dinheiro emprestado, ter dívida em cartões de crédito a serem pagos com outros cartões de crédito...) ou potenciais problemas (não ter um fundo de emergência equivalente a pelo menos 3 meses de salário, transferir dinheiro das poupanças para a conta à ordem, não saber "onde gasta o dinheiro"). Assim, recomendo a leitura.

 

O registo de "por onde anda o dinheiro" é algo em que falho recorrentemente. Retomei esse registo agora em Fevereiro, mas surpreende-me sempre que não tenha muito a noção de quanto tenho no banco. E juro-vos que não é assim tanto. Como referi anteriormente, nem fundo de emergência tenho que cubra 3 meses de salário.

 

Mas hoje passei mais uma barreira psicológica no meu percurso de eliminar toda a dívida. Na sequência do pagamento da prestação deste mês, a minha dívida já é inferior a um salário mensal.  

 

Menos uma despesa

Descontos, 11.02.13

Se antes referia o quanto me penou terminar a subscrição da revista DecoProteste, que incluia o acesso aos serviços da Deco, hoje é fácil partilhar um sucesso. Custou-me apenas o custo de uma chamada.

 

Há vários anos que renegoceio com os prestadores de serviços que contrato (telefone, internet, televisão...) numa periodicidade anual ou bienal. Isto porque existem sempre novos pacotes, ofertas que permitem ou melhorar o serviço sem custos ou reduzir o valor da prestação mensal.

 

 Foi o que fiz recentemente, contactei a operadora que me fornece telefone fixo e internet solicitando informações sobre a existência de pacotes com uma mensalidade inferior à que estava a pagar. Ficaram com o meu contacto e telefonaram-me alguns dias depois com a oferta de desconto de €5.00 contra a fidelização durante um ano (o que não me preocupou minimamente).

 

Recomendo vivamente esta prática.

 

 

São menos €5.00/mês, uma poupança anual de €60.00.