Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

29
Set13

Uma outra forma de ver a compra de um carro

Descontos
Tropecei neste vídeo e, embora os valores possam ser um pouco inflacionados para a generalidade dos portuguesas, considero que o princípio subjacente é importante: ao optar por dívida em vez de aguardar pelo momento em que podemos pagar em dinheiro, estamos a fazer o nosso dinheiro trabalhar para o banco, em vez de trabalhar para nós.
Mesmo com valores inflacionados (os valores são médios para compras nos EUA; pelo menos penso que são inflacionados em relação a Portugal), que se aplicarão a 1/3 dos compradores de novos carros:
72 meses - duração dos empréstimos para compra de carro
9,6% - taxa de juros pagos
26.000 - custo do carro
475 - mensalidade do empréstimo

25% - desvalorização assim se sai do stand
70% - desvalorização após 4 anos
Assim, após 6 anos, o comprador paga 33000 e o carro só deverá valer 6000. 
A sugestão é que coloquemos o dinheiro a trabalhar para nós:
poupar 475/mês durante 10 meses (total: 4750) e somar (por exemplo) a quantia da retoma do que possuímos, por exemplo, 1500
Em suma, em apenas 10 meses, sem qualquer dívida, passou de um carro de 1500 para um de 6250. E se não chegar, manter a poupança de 475/mês durante mais 10 meses e tem mais 4750. Como só passaram 10 meses da compra do carro, provavelmente não desvalorizou e já é possível (em 20 meses) comprar um terceiro carro de 11000 (poupança + retoma do carro de 6250).

E nem entro nas contas em que a conclusão é: aquele carro não vale 5 milhões! 
26
Set13

Pagar ao meu futuro eu (II)

Descontos

Como havia referido anteriormente, o facto de viver sozinha nesta crise económica, tem disparado os meus níveis de ansiedade em relação ao futuro, em especial à velhice.

 

[Ontem lia sobre pessoas de 80 anos, a trabalhar à noite, para pagar os cuidados médicos do seu cônjuge. É um vislumbre para um futuro muito sombrio.]

 

Decidi que, aos (quase) 40 anos, devo considerar a urgência de um fundo de reforma com a mesma intensidade com que fiz o fundo de emergência. 

 

Neste momento, o meu salário líquido é de 650 euros. Fazendo as contas muito por alto são cerca de €50.00 para transporte, se dividir o prémio de seguro por 12 meses, são mais cerca de €25.00; mais €50.00/mês de electricidade (variável), mais internet, mais TV, mais telemóvel... rapidamente estamos próximo dos €450 só em despesas fixas. Ora, €450 depois de pagas as despesas fixas é (para mim) o suficiente para poupar. Eu não pago renda, sendo os custos com habitação o que gasto com a sua manutenção (como por exemplo a substituição do telhado).

 

Assim, decidi organizar as minhas finanças da seguinte forma:

 

1. Conta corrente - salário

A conta salário recebe o salário ficará apenas com o valor de €530.00 (€450 para despesas não fixas, €50 para gasolina, €10 para telemóvel, €20 para um débito directo nessa conta). É possível que gaste mais em gasolina e menos em telemóvel, mas o valor aproximado é suficiente. É esta conta que possui o cartão de débito pelo que faz sentido incluir aqui algumas das despesas fixas.

 

2. Conta virtual - despesas fixas

Na conta virtual estará a verba mensal de €120 para pagar despesas fixas: electricidade, acesso internet e poupança para o seguro do carro.

 

3. Conta virtual - despesas fixas

Na conta virtual ficará igualmente um mini fundo de emergência no montante de €250. Este será para colmatar alguma despesa extraordinária, uma conta de electricidade surpreendente, uma despesa médica, uma reparação do carro. Se pensarem bem, €250.00 já cobre uma boa parte de despesas urgentes que nos levam a recorrer ao cartão de crédito ou cash advance.


4. Poupança 1 - fundo de emergência

Manterei o valor de €1000 para um fundo de emergência. Se somar esses €1000 aos €250, estamos a falar de 2 meses de salário. Parece-me uma boa quantia, considerando que pouco irei poder reforçar face à despesa com o telhado. Corresponde a aproximadamente dois meses de salário.


5. Poupança 2 - reparação do telhado

Tudo o que poupar, seguirá para reforçar a poupança para a substituição do meu telhado. Como o soalho é logo a seguir (se não for antes), estou a esforçar-me para cumprir este objectivo: pagar as despesas sem recurso a crédito ou apoio de familiares.


6. Poupança 3 - reforma

O meu desafio pessoal e compromisso para com o meu futuro. Da conta corrente (1) irá sair a verba de €65 (10% do salário líquido) para a minha reforma.

Para que isso fique imediatamente reflectido nos meus rendimentos e na verba disponível para gastos, irei constituir uma aplicação com reforço automático. Ao dia X, sai automaticamente da conta.

 

 

Poderá parecer um pouco estranha esta separação em 6 contas/aplicações, mas eu sou uma pessoa visual e preciso de ter as diferentes verbas devidamente separadas, para saber exactamente o quanto tenho para que rubrica. Resulta comigo.

20
Set13

Pagar ao meu futuro eu (I)

Descontos
Parecendo que a substituição do meu telhado está novamente adiada, repenso a forma como tenho organizado o dinheiro. 

Eu possuo duas contas bancárias, embora uma delas seja meramente virtual (associada à outra) e serve para retirar dinheiro da conta à ordem, como se tratasse de um envelope para as despesas fixas. 

Como já havia referido, no início de cada mês, mantenho apenas o salário mensal na conta corrente e retiro de imediato x para despesas mensais mais ou menos fixas - luz, telefone... (se vão para a 2ª conta). 

No final do mês, o que consigo poupar é colocado nessa 2ª conta até atingir um montante suficiente para enviar para uma aplicação financeira (quem nem 1% de juros rende). 

Assim, de forma muito intuitiva vejo o que gasto e o que poupo. 

Até à data, o fundo de emergência estava misturado com a poupança para a reparação do telhado. Isto porque antecipei que fosse "comido" pela despesa.
Hoje, finalmente decidi que é tempo de libertar amarras do agora e começar seriamente a planear o futuro. Decidi começar a poupar para o meu futuro eu.

(Continua)

19
Set13

Livre de dívidas

Descontos

Enquanto fazia o meu serão de tarefas blog, escolhi como som ambiente o podcast do Dave Ramsey. Este mês tenho sentido que ando pouco rigorosa com as contas, com tantas promoções a aliciar-me (as miúdas continuam a ser a maior tentação).

 

O programa de rádio tem a particularidade de incluir telefonemas de ouvintes, com pedidos de ajuda e de informações. Mas o melhor são os telefonemas para o grito "livre de dívidas", literalmente um grito de celebração do momento.

 

Para quem compreende um bocadinho de inglês, garanto que será inspirador.

 

Uma nota interessante: Dave Ramsey dizia que 90% das emergências podem ser cobertas com um fundo de emergência de 1000 dólares (cerca de 740 euros).

17
Set13

100 dias para o Natal - Fazer cabazes

Descontos

 

Há imensas páginas que me inspiram, as da Joana Roque (As minhas receitas; A economia cá de casa) e  são um exemplo disso. A sugestão de hoje passa por considerar a hipótese de fazer os seus presentes caseiros.  

 

As hipóteses são imensas e algumas apenas implicam misturar ingredientes. Sequer será necessário cozinhar. Recordo-me de uma sugestão do Mário, que comprou umas belíssimas garrafas de azeite para fazer uns cabazes de Natal. Eu cá aproveito para lhe recomendar que as acompanhe com uns frascos ou saquinhos de sal aromatizado.

 

Fazer presentes caseiros alimentares implica alguma experimentação (em especial se são para cozinhar por azelhas na cozinha como eu), ir reunindo os materiais (como frascos) e produtos em promoções para a confecção, pelo que vá experimentando e testando para que, quando o Natal chegar, esteja segura/o da escolha e tenha o trabalho adiantado.

Pág. 1/3

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Ricardo_A

    1. Taxa moderadora sempre foi um termo péssimo. Se...

  • Ricardo_A

    Segundo a notícia " o documento aprovado prevê exc...

  • Descontos

    E a moda das máquinas calculadoras científicas? As...

  • Descontos

    Correcto, mas olhe que é uma pena que as pessoas n...

  • Descontos

    Considerando as minhas razões e as suas, acho que ...

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D