Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Ainda a marmita, sempre a marmita

Descontos, 07.02.14

 

 

Tenho de confessar: estou a namorar esta lancheira. É tão linda! E que dizer das dimensões (ao contrário das que uso que foram feitas para congelados grandes), estreita e prática para levar até o lanche das miúdas. 

 

Sim, estou mesmo a namorar esta lancheira. Definitivamente um "quero" que é um "não preciso". Bolas!

 

Mas para quem precisa de materiais, definitivamente uma boa compra, embora quisesse sempre verificar se os plásticos das caixas interiores são livres de BPA (para serem seguros na utilização de microondas).

 

Este fim de semana preparo-me para cozinhar para a marmita ou congelador, tentando compensar algumas falhas minhas:

 

- vou fazer iogurtes caseiros na minha iogurteira;

- vou fazer compota de maçã (na máquina de fazer pão);

- vou cozer feijão preto para fazer um estufado com peru e legumes, para poder utilizar na confecção de burritos, para depois congelar (as tortilhas estão a passar o prazo de validade);

- vou fazer copos de aveia (basicamente consiste em colocar leite e aveia num copo e deixar no frigorífico);

- vou congelar brócolos (já cortados em pés menores, prontos a usar), depois de aproveitar a promoção no Pingo Doce (comprei cerca de 700 gr). 

Na verdade, uma boa parte das tarefas são de mera preparação, mas terão um grande impacto em futuras refeições. Com efeito, o facto de não jantar em casa tem resultado em gastos em almoços ou até em substituir almoços por pseudo-almoços (quanto pior o tempo, menor a probabilidade de eu sair para almoçar).

 

E é aqui que eu queria chegar:

 

Mesmo sem as sobras (intencionais) da noite anterior é possível fazer uma marmita:

- iogurtes caseiros e copos de aveia (com leite) são sempre uma boa fonte de proteína e os últimos têm fibra e são muito saciantes;

- com uma máquina de pão, é sempre possível fazer uma sande (muito mais saudável que os lanches ou croissants do café da esquina, certo menina Cristina?);

- levar fruta;

- levar bebidas (quentes ou frias).

 

E para não falar de refeições ultra rápidas que se podem fazer pela manhã em poucos minutos:

- massa cozida com brócolos e queijo mozarela (aquecer a água na  chaleira, colocar num tacho a massa e os brócolos até a massa cozer, escorro e coloco mozarela por cima)

- massa cozida com salsichas e natas (aquecer água na  chaleira, colocar num tacho a massa e numa taça as salsichas em água quente; escorrer tudo e colocar um pouco de natas e tempero, cozinhar as natas 1 ou 2 minutos)

 

- esparguete cozido com cogumelos (aquecer a água na  chaleira, colocar num tacho a massa até cozer, entretanto, numa frigideira antiaderente colocar cogumelos laminados com um fio de azeite e deixar dourar, aditar um pouco de vinho do porto e salsa (facultativo e a gosto); escorrer a massa e despejá-la na frigideira para absorver os sabores do cozinhar dos cogumelos);

- abrir uma lata de atum e uma lata de feijão frade ou grão de bico e temperar;

... 

 

Em suma, soluções de recurso, mas suspeito que mais saudáveis que a alternativa de rua.

 

Hoje, o meu almoço é massa espiral cozida com nacos de queijo mozarela.

 

Organizar documentos fiscais

Descontos, 07.02.14

Já repararam que Janeiro já foi e a primeira semana de Fevereiro já voou? Isso significa que apenas faltam 21 dias para começar o prazo para entrega da declaração de IRS (em papel), para quem tem apenas trabalho dependente ou pensões.

 

Considerando que:

- um mero atraso até 30 dias implica uma coima de €25.00 e,

- os primeiros a submeter são os primeiros a receber (ou é isso que dizem)...

 

 

Porque não recolher e organizar os papéis durante o fim de semana, de modo a entregar a declaração nos primeiros dias do início do prazo?

 

Uma dica importantíssima da Joanne:

 

- é uma boa altura para se assegurarem que sabem onde está a password de acesso ao portal Declarações Electrónicas; se necessitarem de pedir uma nova, terão de o fazer com alguma antecedência.

 

 

Datas de entrega IRS em 2014

 

Entrega em papel
1 a 31 de Março de 2014: rendimentos das categorias A (trabalho dependente) e H (pensões);
1 a 30 de Abril de 2014: restantes rendimentos.

 

Entrega via internet
1 a 30 de Abril de 2014: rendimentos das categorias A (trabalho dependente) e H (pensões);
1 a 31 de Maio de 2014: restantes rendimentos.

O meu registo de despesas

Descontos, 06.02.14

Não sei se se recordarão do post em que vos falei do registo de despesas. Pois bem, andei a namorar um novo registo que me parecia excelente e até referi que iria passar a utilizá-lo. 

 

Ora, grande idiotice, porque o registo é excelente para despesas mas não possui informação sobre o saldo entre os rendimentos e despesas. Ou seja, entreti-me tanto com a forma que me esqueci do conteúdo. 

 

E foi assim que passei a utilizar o registo financeiro pessoal que tem como única desvantagem o facto de não comportar um registo a longo prazo - ou seja, anual. Porém, atrevo-me a dizer que irá ter, depois de lhe fazer algumas alterações.

 

Já lhe fiz algumas alterações, nomeadamente a criação de 3 tipos de contas: conta-corrente (bancária), cartão continente e dinheiro. Apesar de tentadora a inclusão das poupanças, isso altera altera os gráficos, nomeadamente no que nos interessa: a progressão das despesas mensais.

 

Quando levanto dinheiro, assinalo apenas retiro esse valor à conta corrente e adito-o à categoria dinheiro. (nota mental, tenho de incluir uma forma automática de geral essa transferência).

 

 

 

E na parte do registo que corresponde às despesas, assinalo a vermelho as despesas ainda não concretizadas, mas que inevitavelmente chegarão até ao final do mês. Dessa forma, vejo de imediato o impacto de todas as despesas futuras.

 

O dinheiro que sai da conta corrente para a poupança, é contabilizada como uma despesa. 

 

Os levantamentos de dinheiro são anotados, mas não são associados a uma conta (não preencho a 4ª coluna). Eu prefiro anotar as despesas que efectivamente realizei com esse dinheiro.

 

 

 

A secção do resumo mensal permite ver o impacto de cada tipo de despesa:

 

 

 

 

Francamente, estou bastante satisfeita com a simplicidade de utilização deste ficheiro.

Como poupar gasolina

Descontos, 04.02.14

 

De vez em quando, apercebo-me da partilha, pelas redes sociais, de um texto sobre como poupar na gasolina: desde dicas como encher o tanque... porque está frio, porque está calor, porque os vapores também custam dinheiro, etc.... Como textos destes geralmente correm sem autoria e uma real validação, eu prefiro ficar-me pelo que sei. 

 

Eu poupo gasolina mantendo uma condução preventiva, com auxílio do mostrador (digital) no meu tablier que me vai indicando o valor que está a ser gasto, em tempo real.

 

Claro que compreendo a diferença entre o consumo real e médio, mas o efeito dissuasor de ver saltar de um 5L para um 9L quando carrego no acelerador é bastante eficaz. E optar por tirar o pé do acelerador numa descida e ver passar a 0L? Fantástico!

Onde páram as resoluções de ano novo?

Descontos, 01.02.14

Eu sei que vos disse para as esquecer. ;)

 

Mas mesmo que eu não dissesse, não estariam já esquecidas? 

 

Para quem deseja dar um novo impulso às suas finanças pessoais e não sabe por onde começar, porque não aproveitar o mês de FEVEREIRO para se concentrarem num único ponto? 

 

Qual foi a última coisa que vos preocupou no que respeita a finanças pessoais? 

 

Não poderá ser algo de grandioso (tipo: o futuro), mas algo atingível, concreto: uma despesa em particular, uma festa de aniversário, uma despesa médica, a inspecção do carro, a conta que chegou da electricidade. Algo que vos tenha feito dormir em branco uma ou duas noites.

 

Durante o mês de Fevereiro concentre os seus esforços em apenas isso: como planear para gastar menos, as alternativas mais económicas, as estratégias - implementáveis - para poupar. 

 

Por exemplo, a última conta da electricidade foi maior do que estava à espera (142,28 EUR), na verdade uma desilusão porque havia baixado consideravelmente o custo mensal. Eu dou sempre a contagem da luz para não cair "nas malhas da estimativa".

 

Ainda por cima tenho a consciência de que liguei muito menos o aquecedor. Deixei de utilizar o aquecedor electrico do colchão... em suma, o que gasto em aquecimento teria de diminuir.

 

Por isso, nas próximas semana quero concentrar os meus esforços em analisar quais os meus gastos em electricidade. 

 

E isso é algo que me está a preocupar. Ter esta conta tão elevada, tão imprevisível e tão indispensável.

 

E desse lado? Algum alvo a abater?

Pág. 2/2