Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Como ajudar quem não quer ser ajudado

Descontos, 13.03.14

 

Não sei se partilharão comigo um problema. Frequentemente vejo-me na posição de querer ajudar alguém (próximo) com as suas finanças pessoais e sentir que não o posso fazer sem estar a ser intrusiva ou a magoar a pessoa. Por outro lado, há quem - visivelmente precisando - não queira ajuda ou admitir que precisa dela. 

 

Depois de algumas tentativas e erros, cheguei à conclusão que o melhor é ensinar por exemplo. Abandonar por completo o "tu deverias fazer isto ou aquilo" e relatar o que EU fiz de errado, explicar como EU saí do problema, ensinar como EU poupo.

 

E no final, esperar que isso tenha resultado numa mudança de atitude da outra pessoa.

Outros diários de finanças pessoais - versão analógica

Descontos, 12.03.14

Ultimamente tem-se ouvido muito do um pequeno livro que chegou às livrarias: http://www.vogais.pt/livros/kakebo. Mal vi o site achei-o genial, com uma estética diferente de tudo a que estavamos habituadas/os. 

 

E porque diabo poupar não pode ser divertido? 

 

O livro é, na sua essência, um diário das vossas despesas e receitas, encorajando o registo diário e a análise das mesmas. Se já fizerem isso com outros meios (digitais ou papel), provavelmente não encontrarão beneficios na utilização do livro. Caso contrário, poderá ser uma forma de começar.

 

Confesso que, tendo adorado o livro quando o desfolhei numa livraria, achei problemática a sua dimensão - de um livro de normal dimensões. O meu problema era esquecer-me de registar o gasto. Assim, ou levam o livro para todo o lado, ou então continuarão a sentir a necessidade de um registo provisório, para que nada fique esquecido (pelo menos se são como eu). 

 

Neste momento, como utilizo um planificador/agenda, e é nesse que vou anotando as despesas do dia, que epois transfiro para o ficheiro excel (referido aqui).

 

Que métodos de registo de despesas/orçamento, estão a utilizar?

Comprar de empresas que testam em animais

Descontos, 12.03.14

Quando aprendemos a fazer compras inteligentes (introduzir aplausos), cada produto passa a ser uma escolha muito consciente e quando poupamos muito e bem, queremos comprar melhor e melhor.

 

Ultimamente senti a necessidade de procurar informação sobre as empresas que fazem testes em animais. Confesso-me muito ambígua quanto ao tópico, mas apenas no que refere a áreas da saúde. Já em áreas como limpeza, higiene e cosmética, não tenho dúvidas que os testes em animais deveriam ser banidos. Mas defender que os testes deveriam ser banidos e continuar a comprar marcas que testam em animais é hipocrisia. 

 

Mas sejamos realistas. As marcas que não testam em animais são poucas e muito mais caras. Como fazer escolhas sustentáveis quando vivemos com pouco dinheiro?

 

Decidi procurar listas de empresas que testam e não que testam em animais. Achei que a mais segura seria no site da PETA (advirto que este site possui imagens chocantes que poderão chocar até pessoas menos sensíveis).

 

Comecei por fazer a busca por produto ( p.ex. desodorizantes) mas rapidamente percebi que não reconhecia as marcas. Aliás, a única que reconheci entre as que não testam, em relação a produtos de higiene, foi a Body Shop. Ainda pensei que poderia não encontrar as marcas por falta de informação em relação a produtos vendidos em Portugal, ou ainda porque os nomes eram diferentes. Infelizmente não é assim. 

 

Passei a pesquisar por marcas que costumo comprar ou que reconheço. Rapidamente descobri entre as empresas/marcas que testam em animais:

Dove, Avon, Aveeno, Procter & Gamble (vi marcas como Gillette H&S Herbal Essences, Pantene, Tide...), Unilever (vi Axe, Lux, Dove, Comfort...). E isto foi uma pesquisa muito pouco exaustiva.

 

Encontrei a Colgate-Palmolive identificada como uma empresa que testa em animais apenas e na medida em que tal for exigido por lei e que trabalha com a Peta no sentido de banir os testes em animais ("Company That Works For Regulatory Change").

 

Assim, o meu plano é passar a dar preferência a produtos do grupo Colgate-Palmolive. No fundo é escolher um sabonete Palmolive, em vez de Dove. Ou Ajax em vez de Sonasol. 

 

Aliás, tudo começou porque tropecei na informação que a marca BIC (as minhas esferográficas preferidas) testa em animais. Paciência, a marca Staedtler (que não testa em animais) passará a ser a escolha, de hoje em diante.

 

E que fique CLARO que este post não foi "patrocinado". Ele é o resultado de ter neurónios, gostar de animais e querer agir de acordo com a minha consciência, pese embora as dificuldades financeiras. 

 

 

Quando a restantes produtos de limpeza, já tenho uma lista de produtos caseiros que pretendo testar. Julgo que é possível fazer essa transição, aos poucos, com tempo... 

 

Primeiros passos:

- registar que produtos (de entre os que uso) não são testados e dar-lhe prioridade quando faço stock/compras futuras;

- procurar alternativas caseiras (e económicas);

- procurar outras marcas e comparar preços de forma a alargar o leque de ofertas.

 

Aceito ajuda. Costumam ter este tipo de preocupações? Conhecem outras marcas, nomeadamente nas áreas de higiene e limpeza?

 

 

 
Cães de laboratório a experimentar sol e relva pela primeira vez.

 

 

Para as estrelas da gestão financeira pessoal

Descontos, 03.03.14

Há dias ouvia um programa do Dave Ramsey (que gosto de ouvir embora não concorde com tudo que é dito), em que alguém se questionava sobre o que fazer depois de concluir todos os passos para algo que eu chamo de paz financeira.

 

O casal não tinha dívidas (nem da hipoteca), já havia constituído um fundo de emergência, tinham uma boa poupança mensal para reforma e estudos dos filhos e tinham poupanças pessoais indiscriminadas. Eu suma, em paz financeira.

 

Assim, porque depois de pagar dívidas há mais dinheiro no final do mês, preocupavam-se sobre como o gastar: aproveitar para umas extravagâncias ou poupar mais?

 

Dave Ramsey fez ua sugestão que achei brilhante, que consiste em dividir esse extra em três categorias, com percentagens a escolher pelo casal:

- Gastar - se o objectivo é poupar antes para depois viver melhor, então deve-se fazê-lo (umas férias, um gadget, etc.)

- Poupar - reforçar a riqueza é sempre uma boa ideia, até para deixar um legado aos descendentes

- Doar - dar mais, como um corolário de princípios morais do próprio (e mesmo sem a base cristã, algo que partilho)

 

No fundo, ele criou um sistema que "obriga" o casal a gastar sem culpa (porque aproveita mais e porque doa mais), depois de tamanho esforço para poupar. E ainda assim, o sistema permite continuar a poupar. 

 

Infelizmente, a generalidade de nós não se debaterá com esta "dúvida".

Resumo do mês de Fevereiro

Descontos, 01.03.14

Como havia adiantado, estou a testar um novo ficheiro como registo financeiro pessoal. 

 

Pontos positivos:

- a simplicidade na utilização

- a visualização imediata das despesas por categoria

- a possibilidade de poder criar "contas" para cartões de fidelização com crédito

 

Pontos negativos:

- só permitir a contabilização de um único mês

- não ter uma função transferência para passar verba da "conta corrente" para a rubrica "dinheiro" (faço-o manualmente)

 

Em suma, se andar por aí alguém que perceba muito de EXCEL, este seria um excelente formato.

 


 

 

Já as minhas contas parecem-me muito gordas.

 

Se, aos €874.07 retirar os €200.00 que são levantamento de dinheiro e que, na realidade estão duplicados porque o que registo é a forma como gastei o dinheiro e se retirar a verba de €75.00 que é o valor da poupança que fiz nesse mês, estariamos a falar de mais de €600.00 em despesas mensais.

 

A despesa de supermercado não me preocupa, é atípica, tem muito mais a ver com o stock de material escolar que fiz, com stock de peixe congelado (vales Pescanova, claro)... mas considerando que quase não jantei em casa no mês de Fevereiro, a coisa deveria ter-se nivelado, não?

 

Vou ter de voltar a guardar todos os talões... ;)

 

E os valores em restauração vão ter uma redução drástica. Como não janto em casa, não tenho sobras; como não tenho sobras, não tenho marmitas. Porém, desde meados do mês que tenho tentado cozinhar qualquer coisa pela manhã - marmitas expresso. E apenas a preguiça tem evitado que faça sopa e sandes. 

 

 

Novidades para Março:

- fim da televisão paga 

- renegociar a net + telefone (terminou o desconto mensal de €5.00 que possuia)

- mudar de tarifário de telemóvel

- passar a tempo parcial no emprego, com metade do salário (ainda não vos tinha contado essa parte, pois não?)

Pág. 2/2