Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

4 peças de roupa por €2.00

Descontos, 28.07.14

Como já referi, sou uma recente adepta a compras de vestuário em lojas sociais. Deixo-vos a minha compra de hoje: 4 peças de criança por €0.50/cada. Duas das peças ainda com etiqueta, as duas que são de produção nacional e de excelente qualidade. As calças brancas são linho com algodão. 

 

Estas compras permitem-me ajudar a minha família. É dinheiro que não é gasto noutros bens. E estas, depois de deixarem de servir às sobrinhas, já têm destino noutra família. 

 

Nestas idades, passar a roupa, pode ser uma verdadeira benção para uma família. De uns anos para os outros eles dão uns "saltos" valentes e facilmente se chega a um inverno sem uma peça de roupa quente que sirva.

 

Eu estou a fazer stock de roupa. Não come feijão e certamente será uma dádiva bem-vinda.

 

Um sonho...

Descontos, 27.07.14

Eu tenho um sonho específico para as minhas finanças pessoais. Confesso que ando para escrever este post há vários meses, mas sempre temi que fosse demasiado pessoal ou incompreendido face à realidade de famílias que sonham não ter de contar quanto poderão comprar com os únicos €10.00 que têm até ao final do mês.

 

Não é um sonho completamente irrealista como ganhar o euromilhões, mas um sonho difícil de atingir. Aliás, muito difícil de atingir. E se parar de trabalhar, então é tão irrealista como ganhar o euromilhões.

 

Mas é o meu sonho e eu sinto-me muito agradecida por o ter, em vez de sonhar em não ter de me preocupar com o que por na mesa.

 

Eu não vivo numa casa própria. Não pagar renda tem como contrapartida custear as despesas de manutenção/reparação numa casa com 100 anos (por exemplo um novo soalho e um novo telhado). Considerando que não pago renda de casa há mais de uma década e que vivo no local onde nasci, sou uma afortunada.

 

Mas eu sonho com a possibilidade de saber que a casa será minha na velhice, que não terei de me preocupar com ter onde morar quando ficar mais velha e os rendimentos - muito provavelmente - forem ainda menos. E quanto mais vejo a pobreza com que vivem os nossos velhos (e uso a palavra com um grande carinho, juro-vos) e mais ainda quando estão sós (como a solteira aqui do burgo), preocupo-me ainda mais.

 

Por isso eu sonho poder comprar a minha casa. Ou pelo menos poder comprar o direito de nela viver até ao final dos meus dias. Depois da morte, não precisarei dela e não tenho herdeiras/os a quem a deixar.  

 

A bater os 40 anos, gostava de ter sonhado isto muito antes. O sonho deixaria de o ser para ser um plano exequível. A idade da estupidez não perdoou... ganhei juízo a esta idade... poderia ter sido pior.

 

Ok... por favor reservem o juízo "esta-está-tolinha" para o final. 

 

As minhas contas são assim: com 30 000 euros eu conseguiria comprar um mini apartamento, construir uma mini casa (qualquer dia mostro-vos) ou comprar uma roulote para viver. Julgo que seria exequível.

 

Naturalmente almejaria conseguir comprar a casa onde vivo, esse é o meu sonho. Porém, seria uma verba que me asseguraria uma habitação.

 

30 000 euros a dividir por 10 anos dá 3 000/ano e esse valor dividido por 12 meses é igual a €250/mês

 

E se eu conseguisse juntar €250/mês durante os próximos 10 anos?

 

Uma pessoa pode sonhar, não pode?

Diário das minhas finanças pessoais - semana 30/2014

Descontos, 26.07.14

Esta semana pouco gastei, com excepção do dinheiro "maluquices" onde imputei dois jantares de aniversário que levaram €25.00.

 

Bem os evito e agora já me lembro porquê. 

 

Pão caseiro

 

Retomei a prática de fazer pão caseiro só para mim. Dessa forma evito muito mais as idas ao café a meio da manhã. Tinha parado porque não faço refeições em casa e como tal era só para o pequeno almoço. Ora uma fornada dá quase para a semana, mas o pão não se aguenta uma semana a não ser na forma de torradas.

 

Ainda assim, é bastante melhor que a opção "fora de casa". 

 

Já agora, no que respeita a pão caseiro (eu tenho uma máquina de fazer pão), eu comecei a poupar graças a duas dicas da comunidade

 

- farinha para pão Pérola (no Pingo Doce)

 

Estou a tentar lembrar-me do nome de quem me deu a dica, mas não me recordo (peço desculpa). Até então comprava farinha Espiga, muito mais cara.

 

- fermento de padeiro Casa Januário/Porto

 

Foi a Orquídea que publicou a excelente dica. Até então ia comprando as saquetas da Vahiné ou Fermipan que ficavam muito mais caras, face à quantidade.

 

Obrigada pelas partilhas.

8 propostas para postais de aniversário

Descontos, 25.07.14

Esta semana enviei um postal de aniversário e recordei-me que já há bastante tempo que não compro postais de Natal ou de Aniversário. Não é intencional, é a constatação de que outras formas de comunicação acabam por tomar a dianteira. Nomeadamente com familiares no estrangeiro vai-se preferindo o Skype.

 

Porém, para acompanhar um presente, tinha de enviar uma nota e optei pela habitual impressão de um postal de aniversário. 

 

Existem inúmeras páginas onde podem personalizar e imprimir postais. Todavia, a minha proposta passa por 8 soluções em que podem prescindir de impressora, se não tiverem uma.

 

Recomendo vivamente que, quanto tiverem um pouco de tempo livre, façam 1 ou 2 para terem à mão e evitarem a compra "agora não tenho tempo para fazer".

 

 

 

Podem imprimir, mas são tão simples que um marcador poderá substituir a impressora.

 

Fonte: mrprintables 

 

 

 

Fonte: ideasforcards

 

 

 

Fonte: ideasforcards

 

 

 

Fonte: parents

 

 

 

Fonte: minieco

 

 

 

Fonte: chatbreak

 

 

 

Fonte: grannemedselma

 

 

 

Fonte: createsie

Como poupar com um pequeno congelador

Descontos, 21.07.14

Há quem consiga uma imensa poupança com recurso a uma grande arca de congelação. Infelizmente eu só tenho três gavetas no meu congelador e já estou melhor que as pessoas que apenas têm um pequeno congelador na parte superior do frigorífico.

 

Se a pergunta fosse "Como poupar com um pequeno congelador?", a resposta seria: "com menos". É sempre possível poupar um pouco mais com um pequeno stock de frescos. O truque é escolher o que vai para o congelador. Por exemplo, não comprar abóbora para congelar se isso implicar não ter espaço para comprar carne de aves com 50% desconto. 

 

Pensem no vosso congelador como um espaço arrendado em que fica lá dentro o que vos render mais dinheiro.

 

 

Diário das minhas finanças pessoais - semana 29/2014

Descontos, 21.07.14

A marmita está pronta para começar a semana. Estou a trabalhar a tempo parcial e apenas preciso de marmita 3 vezes por semana, mas parece que está a ser mais difícil manter a rotina porque não faço jantar e não tenho sobras. 

 

Restauração

 

Num almoço e pingos gastei € 9.65. Esta despesa é a que mais me custa contabilizar porque seria perfeitamente dispensável. É puro desperdício e algo que quero corrigir.

 

Vestuário

 

Apesar de ter cartões presentes a verdade é que foi num local onde não os podia utilizar que encontrei umas sapatilhas que são suficiente discretas para utilizar no trabalho. Só custaram €7.99 e valeram bem o investimento.

É um dos meus objectivos substituir o calçado mais formal por calçado confortável. O meu local de trabalho permite-me isso e estou determinada a aproveitar o conforto. 

 

Presentes

 

Já comecei a comprar para o Natal. Aproveitei os saldos e consegui comprar 4 presentes por € 7.50 (3 para o Natal e um para um aniversário que se avizinha). Em dois aniversários que terei esta semana, €2.50 será o meu único gasto porque estou a fazer presentes caseiros. É verdade que já tive de gastar €1.00 para materiais, mas vale bem o investimento. 

 

Miúdas

 

Continuo a fazer verdadeiros achados na Remar. Esta semana fui fazer uma doação e naturalmente espreitei o que havia. Consegui comprar um blusão de ganga, umas calças e uma saia por €1.50. Tudo ainda com a etiqueta. Nem queria acreditar.

Já estou a trazer peças para um tamanho acima para servir já para o próximo ano escolar.

 

Casa

 

Tive de comprar um cabo, inevitável. Mas descobrir que nesse fds havia promoção na Rádio Popular foi um bocadito chato. ;)

 

Maluquices

 

Primeiro,  €4.55 em materiais para o escritório (mais mimos que necessidades) e manualidades. Também comprei um presente para mim: um voucher de €20.00 por €10.00 para ver filmes no Meo Videoclube (posso ver no computador). 

 

Poupança

 

Realmente a estratégia de transferências automáticas no início do mês para poupança resulta muito bem. Nem penso nesse dinheiro, sai da conta corrente e é como não existisse como possibilidade. 

 

 

 

 

Ainda ando às turras com o sistema de envelopes. Preciso mesmo terminar um projecto que julgo que irá dar-me uma ajuda. Mas estou a sentir a falta de fazer/ver o registo mensal (que suspendi).

 

Também sinto que não estou, verdadeiramente, a fazer sacrifícios ou a cortar porque não estou a fazer um orçamento zero. Ou seja, quando excedo o orçamento, faço o mea culpa mas vou buscar mais dinheiro. Mas a verdade é que não estou verdadeiramente e restringir-me de nada, apesar de ter um orçamento abaixo dos meus rendimentos mensais. 

 

As minhas poupanças estão (pelo menos virtualmente) quase todas em fundo de emergência ou poupança para a casa. A verba mensal para a reforma está tão pequena (apesar de estar a transferir todos os meses cerca de €60.00) que me causa alguma ansiedade. Essa ansiedade está a traduzir-se numa maior necessidade de eliminar "gorduras" do meu orçamento. É uma ansiedade que volta e meia se intensifica (não sei bem porquê) e atinge o seu máximo no medo de não conseguir poupar o suficiente para sobreviver de forma digna na minha velhice.

 

Estou há 5 minutos a olhar para o parágrafo anterior e a tentar terminar de forma positiva. Mas a verdade é que nem sempre estamos com vontade de ver "cor de rosa" e "tudo vai acabar bem" e a "vida é bela". Há fome nas escolas, há idosos que vivem muito abaixo do limiar da pobreza e quando passo a semana a ler como a banca se alimenta dos pobres em financiamentos de milhares de milhões sinto-me muito revoltada.

A pensar no início do ano escolar

Descontos, 19.07.14

A minha cabeça já está no início do ano escolar. É que já só faltam 2 "fins do mês" para esticar a poupança para os gastos adicionais que aí vêm. Na minha lista mental estão:

 

- vestuário Outono/Inverno;

 

- material escolar (rever o stock + orçamento para itens das listas dos professores);

 

- livros escolares.

 

 

Vestuário Outono/Inverno

 

Confesso que não tenho planos para comprar roupa de criança nos saldos deste ano, a não ser que apareçam bons itens como: roupa interior, camisolas grossas, sobretudos e sapatilhas. 

 

Coisas como calças de ganga ou vestidos, eu consigo facilmente em lojas sociais ou trocas e são itens que dão para vestir durante quase todo o ano.

 

Material escolar

 

Felizmente tenho um bom stock de coisas que fui conseguindo comprar a bom preço durante o ano, desde mochilas a cadernos. Naturalmente há itens que, com um bom desconto, se podem comprar sempre:

- marcadores,

- guaches,

- lápis de colorir,

- lápis e esferográficas,

- afias com depósito,

- borrachas de apagar, etc.

 

Depois há itens em que compro apenas com descontos de cerca de 75% porque a sua utilização fica muito dependente do que os professores querem nesse ano. Por exemplo, eu sei que posso comprar sempre guaches Giotto porque é uma marca sempre preferida pelas escolas, mas não sei se vão querer cadernos pretos agrafados ou capas de argolas. 

 

Mas há itens em que o investimento pode não compensar face aos preços praticados nas papelarias dentro das escolas. 

 

Também tenho sempre material "extra" para as "pintoras" utilizarem em casa, tentando diminuir o desgaste do material de escola (geralmente a opção mais cara).

 

Neste momento não vejo promoções relevantes. Em regra, primeiro começam a vender com desconto as sobras de itens de verão (cadeiras, brinquedos, etc.) e depois aparecem sobras de itens escolares, antes da próxima época. 

 

Livros escolares 

 

Confesso que aqui tenho sempre optado por livros novos. Nos primeiros anos de escolaridade a generalidade dos livros têm diversos exercícios tornando-os praticamente descartáveis. 

 

Cada vez mais há quem opte pelas trocas de livros, bancos de livros escolares e até compra de usados. Que experiências e recomendações têm neste tipo de aquisição de livros escolares.

A pensar no novo ano escolar

Descontos, 18.07.14

Como já referi, eu troco livros no WinkingBooks. E como as minhas aquisições (compras ou trocas) já estão no novo ano escolar, já comecei a procurar livros do Plano Nacional de Leitura para determinado ano escolar (sempre da lista de leitura orientada, porque é mais provável que seja uma obra cuja leitura é solicitada pelos professores).

 

 

Mas não me fico por aqui. Tento perceber se o autor já está no domínio público (sem direitos de autor) o que permite imprimir a obra a partir de um repositório, como o site http://www.gutenberg.org.

 

Por exemplo, no 7º ano surge uma obra de José Trindade Coelho (Meus Amores) e esse título já está disponível para impressão.

Destaque dos meus saldos: umas calças novas para mim

Descontos, 16.07.14

 

 

Comprei uma gabardine. E vocês pensam... e eu com isso? 

No fundo é a sequência deste post aqui.

 

Cumpria todos os requisitos:

- dentro do orçamento (de um cartão presente); custou €44.99;

- peça clássica (não há nada mais clássico que uma gabardine bege com trespasse);

- de qualidade (levei a minha mãe comigo, claro!).

 

[Que tal Isabel?]

 

COMPRAR VESTUÁRIO USADO QUE É NOVO PARA MIM

 

E ontem a minha fantástica compra: um par de calças bege em 50% algodão 50% linho, "fabricado in Portugal" por €1.50. Sim, leram bem... €1.50 numa loja social (bem procurei gabardines). 

 

Deste género:

 

 

Desde que comprei os primeiros jeans por €1.00 fiquei convencida: comprar roupa usada pode ser uma forma excelente de poupar dinheiro. Em especial em peças para crianças tenho conseguido encontrar verdadeiras pechinchas. 

 

Já comprei calças de ganga para criança por €0.50 e vestidinhos (tipo jardineira) em ganga por €1.00. E juro que tudo que trago para casa está em perfeito estado de conservação (sou pecuínhas). São igualmente fortes em mobiliário diverso. Vejam a secretária na página das lojas Despertar? Não é linda?

Se querem marcas, também as irão encontrar. O stock das lojas resulta de doações diversas (nomeadamente das minhas{#emotions_dlg.blink}) e poderão encontrar itens que ainda têm as etiquetas. 

 

Lojas solidárias em que costumo fazer compras:

 

Despertar

Remar

 

Loja que me recomendaram:

 

Emaús

 

Alguns conselhos:

 

- vão com tempo para explorar;

 

- ignorem o "ambiente" de desorganização: preços raramente assinalados, cestos com "tudo o monte", dificuldade em identificar tamanhos;

 

- perguntem antecipadamente os preços (em regra são por zonas: corredor de €1.00, peças de criança a €0.50; peças de marca a €2.00,...);

 

- verifiquem bem se a peça tem nódoas ou defeitos irreparáveis, se os fechos funcionam, etc.;

 

- provavelmente não terão onde experimentar a peça e em coisas como calças em que aparecem etiquetas com tamanhos não europeus (tipo 40, 42...) convém levar levar a largura de uma peça que vos assente bem.

Pág. 1/2