Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Poupar é um hábito que se adquire

Descontos, 13.10.14

Este fim de semana tive a consciência de que a poupança também é um hábito que se adquire, trabalha, aperfeiçoa de modo a se embrenhar no nosso dia a dia (mais ou menos inconsciente, com maior ou menor esforço). 

 

Decidi planear um jantar lá em casa, com a pequena e uma amiga. O menu era algo muito pedido: pizza caseira que foi acompanhada por sopa (esqueci-me completamente de que deveria ter também uma salada). 

 

Só tive de comprar fiambre para a pizza, tudo o resto já estava em casa: cogumelos em lata, tomate, queijo ralado, atum. Os ingredientes da sopa saíram todos da horta - a sopa é do que houver. A sobremesa: uvas, uma lata de ananás (usado na pizza) e pêssego. Em suma: a sobremesa foram ovos estrelados. A pequenada não percebeu a piada - para espanto e gozo das adultas - e uma delas chegou mesmo a pedir que o ovo dela fosse cozido porque não gostava de ovos estrelados. 

 

O panelão de sopa já foi distribuído em doses individuais para as marmitas. Sobrou uma rodela de ananás, meia lata de cogumelos laminados e arroz integral cozido (do almoço de domingo) - igualmente congelado em duas doses. Potencial para uma refeição "criativa". 

 

Em suma, uma refeição económica é aproveitar tudo que se tem e não desperdiçar o que sobra. Quando olho para trás e recordo o meu desperdicio...

O meu futuro: a saúde

Descontos, 05.10.14

Há muito que decidi que vou ser centenária. Sim, quero viver para além dos cem anos porque tenho uma enorme curiosidade em acompanhar a evolução do mundo. 

 

Claro que me dirão que posso ser atropelada hoje e lá se vão os planos. Mas a vida - ou a morte - é assim: imprevisível e cheia de surpresas (a morte sendo das desagradáveis).

 

Poderão também dizer-me que isto não tem nada a ver com finanças pessoais e que o dinheiro não compra saúde. Eu replico que os milhares de doentes de hepatice C que ficariam curados se tivessem os 50 mil euros que necessitam para comprar o medicamento que tem a cura, discordam. O dinheiro não traz felicidade, excepto quando se vive num limiar de pobreza em que isso é a infelicidade.

 

Daqui a 50 anos eu quero ser saudável. Não tenho como objectivo ser a mais velha maratonista do país mas quero movimentar-me sem dor e conseguir realizar as tarefas básicas: fazer a minha higiene pessoal, vestir-me e preparar as minhas refeições. 

 

Para isso há que planear com antecedência e, no meu caso, isso quer dizer que tenho de mudar comportamentos:

 

I) fazer análises sanguíneas todos os anos e acompanhar alguns valores*:

a) colesterol mau, LDL, deverá ser mais ou menos 100mg/dl

b) colesterol bom, HDL, deverá ser superior a 40mg/dl

c) homocistéina (sub produto de ingestão de proteínas) deverá ser igual ou inferior a 9 mg/dl

d) PC-R (mede o nível de inflamação no corpo)

e) açúcar no sangue (inferior a 100mg/dl)

 

II)  desenvolver hábitos que ajudam a saúde:

a) lavar as mãos é o melhor método para prevenir infecções

b) fazer uma boa higiene bucal (periodontite é "uma das causas principais de desprendimento dos dentes nos adultos e é a principal em pessoas mais idosas" e as bactérias podem entrar na circulação sanguínea e afectar o coração)

- boa higiene bucal diária inclui o fio dentário e elixir todos os dias, menina Cristina! [nota: o elixir não deve conter álcool]

- lavar os dentes durante 2 minutos 

c) melhorar a minha alimentação

 

III) Investir na prevenção:

a) consultas anuais no dentista e ginecologista (e exames)

b) vacinação (a do plano nacional de saúde e gripe)

c) suplemento vitamínico** [magnésio 400mg/dia, cálcio 600mg/2xdia, vitamina D 400UI/dia, vitamina C 600mg/2xdia, vitamina E 400UI/dia, vitamina A 1500 a 2500UI/dia]

d) comer 4 peças fruta por dia (nota: banana é rica em potássio)

e) substituir farinhas e massas refinadas por integrais

f) fazer exercício

 

 

* informações que recolhi do 1º capítulo do livro

 ** Se o indicado são as recomendações do livro, o meu suplemento vitamínico (Becozym C, €8.30) fica aquém: [magnésio 100mg, vitamina C 500mg, cálcio 100mg, não tem vitaminas A, D ou E]. Todavia, há que ter presente que essas vitaminas e minerais deveriam vir da alimentação. Confesso ainda que sou ambivalente sobre o consumo de suplementos vitamínicos. Tenho de reflectir melhor sobre este tópico.

 

Não sei se perceberam, mas este post é mais para mim que para vós. É o meu lembrete, a minha cábula. Ainda assim, espero que vos seja útil ;)

 

Vou continuar a ler o livro (emprestado), 1 capítulo por semana. Porém, confesso que já tive mais confiança no que o Dr. Oz diz.

Carpe Diem e o Manual da Poupança

Descontos, 04.10.14

 "A célebre expressão "carpe diem" terá de, cada vez mais, cair em desuso. Ou pelo menos de ter um curto acrescento: é certo que temos de aproveitar o dia, mas temos de o fazer com os olhos voltados para o futuro."

 

Manual da Poupança

João Morais Barbosa e Ricardo Almeida

 

Tendo lido o Manual das Finanças Pessoais, dos mesmos autores e que gostei bastante, este Manual da Poupança desiludiu-me.

 

Desde logo, achei pouco equilibrada a divisão entre conteúdos de natureza prática (poucos) e teórica. 

 

O manual começa por um teste de auto-avaliação e um exercício de organização de despesas por prioridades que organizam em três grandes grupos: essenciais à vida, obrigatórias por efeito de contrato e as outras. Um exercício interessante enquanto auto-avaliação, mas infelizmente pouco desenvolvido. 

 

No capítulo que considerei mais interessante, duas páginas que sugerem que pensemos nos bancos de acordo com as nossas necessidades e objectivos e optemos por escolher um ou mais de acordo com esses, desde as transacções do dia a dia à preparação da reforma. E tudo isso, sempre com olho nos custos inerentes.

 

O capítulo de construção e interpretação do orçamento familiar pouco mais tem que 5 páginas, com mais princípios gerais que considerações práticas, é seguido de um capítulo sobre literacia bancária que se mistura com o que havia sido referido anteriormente sobre organização bancária e ao que se acrescentam informações sobre a banca e reguladores.

 

Eu suma, achei a leitura pouco fluida e deficientemente articulada que não acrescenta em nada o Manual das Finanças Pessoais.

Objectivo Setembro não cumprido, Outubro à vista

Descontos, 02.10.14

Tinha colocado na minha agenda que, no que respeita a despesas pessoais, os meus objectivos eram: poupar €160 para completar todos os envelopes e poupar €250 para a casa.

Poupei €330.00 o que claramente significa que não atingi um dos objectivos. Lembro que esta poupança resulta precisamente dos envelopes. Eu gasto dos envelopes e como tal, do salário deveriam sair apenas as poupanças fixas, as despesas para as quais não criei envelope (por exemplo gasolina, telemóvel,...) e aquilo que efectivamente poupo. Por isso, €330 é pouco.

O valor para a casa era ambicioso (talvez irrealista), mas é um sonho e dos sonhos não se desiste sem primeiro lutar por isso.

Assim, este mês optei por utilizar esses €330 para me ajudar nos objectivos de Outubro:

1) €1.000 em Certificados de Tesouro Poupança Mais

É a primeira vez que tomo a decisão de investir o dinheiro de modo a que ele não fique acessível (pelo menos durante um ano). Até Setembro, completei os €900 euros de poupança para a reforma. Depois do reforço mensal automático, irei retirar dos €330 o necessário para perfazer os €1.000 e subscrever os certificados.

2)  Não utilizar o fundo de emergência

Esta semana tenho de mudar de lentes. Se mudar a graduação, entre óculos normais e óculos de sol a despesa ultrapassará os €500 - eu sou mesmo pitosga.  Eu não previ esta despesa no envelope saúde - esqueci-me completamente - e gostaria imenso de conseguir poupar durante o mês de Outubro (mais o reforço de Setembro) para não ter de recorrer ao fundo de emergência. 

 

Têm algum objectivo especial para Outubro?

Pág. 2/2