Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Número ideal de transações para quem quer poupar

Descontos, 09.06.16

Ao ouvir um podcast sobre finanças pessoais, em determinado momento o "perito" diz que os estudos sobre hábitos de poupança apontam para um ideal de 10 a 14 transações por semana. Ou seja, alguém que deseja poupar deveria aspirar por realizar um máximo de 14 pagamentos por semana.

 

Vejamos então os meus gastos:

2 a 8 Maio – 18 transações

9 a 15 Maio - 19 transações

16 a 20 Maio – 17 transações

23 a 31 Maio - 16 transações

 

E se eu contabilizar o número de transações do meu calcanhar de Aquiles, a restauração?

2 a 8 Maio – 12 transações

9 a 15 Maio - 5 transações

16 a 20 Maio – 9 transações

23 a 31 Maio - 10 transações

 

Começo a achar que esta história do número ideal de transações é capaz de fazer sentido. Será que ao reduzir o número de transações não estamos, na realidade a reduzir o gasto nos excessos?

Poupança de Maio

Descontos, 08.06.16

Com algum atraso, apresento-me às contas de Maio. Quer dizer, mais ou menos porque mudei de agenda e estou sempre a esquecer-me de fazer as contas que, desde 1 de Junho, passaram a estar na agenda "antiga". 

 

Em suma, a poupança de Maio foi de apenas €83.52, o que permitiu que o meu fundo de emergência passasse para €923.07 ou seja, ainda faltam €74 para os €1000, que são o meu objectivo. 

 

Não preciso de fazer contas para saber onde ficou o dinheiro, gastei €37 em presentes, continuo a exceder o meu orçamento de restauração e isso é suficiente para que a poupança fique aquém dos meus objectivos. 

 

Bem feitas as contas, o que me falta é a disciplina que teve, por exemplo, este adolescente, que desde os 12 anos e durante 5 anos se levantou todos os domingos às 3.45 para vender jornais.

 

E é a ler testemunhos destes que me pergunto porque estou a delapidar as minhas poupanças, gastando €83 euros em restauração num único mês

 

Sinto-me frustrada e envergonhada. Frustrada com a minha falta de disciplina, envergonhada por me gabar que consegui comprar 50 latas de atum para um donativo, depois de contabilizar mais de 80 euros em gastos supérfluos. 

Com o calor, chegaram os eventos culturais ao ar livre

Descontos, 06.06.16

Serralves2016 (10).JPG 

Este fim de semana estive em Serralves para um dia de divertimentos com a pequenada. 

Mesmo quando planeamos aproveitar eventos gratuitos, temos sempre de decidir se vamos gastar mais ou menos dinheiro. 

Desta vez, decidi fazer uso do envelope "miúdas" e não levei almoço e deixei-as escolher um livro.

 

Por isso, um dia de divertimentos grátis custou:

€2.50 - gelados

€13.00 - almoço

€9.40 - livros

€ 5.48 - supermercado (sumos e lanches para manhã e tarde)

 

Um valor que saiu quase todo do envelope "miúdas", que estou a tentar que seja mais para experiências que para "coisas".  

 

Adicionalmente, levei garrafas reutilizáveis de água. O que comprei, acabou por ser demais (como sempre). Tenho de aprender a reduzir. 

Considerando o que almoçamos, estou convencida que teríamos ficado melhor servidas com duas sandes levadas de casa e teria poupado os €13.00. Porém, nesse dia, optei por não levar almoço para não ir tão carregada. 

O problema é que penso sempre em ingredientes e acabo por achar que é demais. Tenho de pensar em levar as sandes montadas, já com saladinha e tudo lá metido. 

Outro problema é o calor pois não quero andar com uma mala térmica o dia todo comigo e o carro não fica propriamente à porta. Pensando bem... será que nesses dias podemos utilizar o bengaleiro? Não me ocorreu isso. 

 

Agradecia imenso que partilhassem comigo as vossas dicas para os almoços "portáteis" na rua.

Pág. 2/2