Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Comprar casa é um investimento? - uma resposta

Esta é realmente uma questão que nos assola a todos.

Relativamente aos pontos enumerados:

1 e 4- Efectivamente, não é normal que a casa valorize de forma a cobrir juros, impostos, etc. Mas depende um pouco também... Efectivamente, quem comprou antes da bolha rebentar, pode estar com sérios problemas em mãos. Quem comprou nos anos 90, certamente tem os imóveis valorizados, caso estejam em bons prédios. Penso que aqui, o centro das cidades têm uma maior probabilidade de ter prédios mais antigos mas que são ainda valorizados. Fora dos grandes centros, é fácil dizer que aquele é velho e o outro ao lado é melhor, mesmo que as construções hoje em dia deixem a desejar... e muito.
Penso que o investimento mais seguro será numa moradia isolada, se possível, construída pelo próprio (comprar terreno, fazer projecto, controlar a empreitada, etc). Há moradias de banco a preços estrondosos, porque foram compradas a preços estrondosos, na altura em que o dinheiro abundava... uma construção própria consegue-se controlar melhor até onde se pode ir (e até há soluções modulares que permitem começar com uma T1/T2 térrea c/ sem garagem e ir aumentando consoante se precisa). Também se consegue investir em tecnologias de poupança (Classificação A), em detrimento de luxos, o que num prédio ou casa já feita é mais complicado. E, claro, os vizinhos estão mais longe e incomodam menos :) E na altura de vender, é sempre mais fácil vender uma moradia que um apartamento.

2- Voltando ao tópico moradia, aqui levamos com os custos de manutenção pela totalidade. Pintar a casa toda, arranjar o portão da garagem, etc. Mas também, e à parte de coisas fundamentais, podemos fazer ao nosso ritmo financeiro. E até podemos ser nós a fazer (pintar uma casa, trocar lâmpadas, etc, etc ).

3 - aqui o arrendamento ganha, claro.

Mas é necessário reflectir outros aspectos:
- os arrendamentos não são mais baratos que comprar casa. Conseguimos um T2 por 300€ e um por 500€. O preço dessas apartamentos também podem ir de 50k€ a 80/90 ou até 100k€. Quando andei mais atento, via que muitos arrendamentos, quando colocados por profissionais, tinham um valor de renda de 0.4% do valor do imóvel.
Por exemplo: moradia de 175.000€ tinha um arrendamento perto dos 700/750€.
Quer dizer que o investidor está a ganhar 4.8%/5% ao ano.

Em apartamentos mais baratos, de 50/60k€, essa percentagem de rentabilidade é maior...

- a mensalidade do arrendamento aumenta com a inflação. Temos sempre hipótese de mudar de casa, claro...

- podemos ter um senhorio que quer vender a casa e terminar o contrato, quando estamos naquele sítio mesmo porreiro e perfeito, perto do ATL dos putos (não esquecer que muitas casas estão no mercado de arrendamento porque o proprietário simplesmente não consegue vender ao preço que comprou porque a bolha rebentou - rimei!)...

- ao final de 30/35/40 anos, temos um activo de 0€ no caso do arrendamento e temos que continuar a pagar a casa, mesmo que tenhamos uma reforma que agora é 65% do ordenado... e a casa entretanto que aumentado o custo, com a inflação... Numa compra, ao final desse tempo, a casa é nossa, como se tivéssemos investido num PPR... :) Não temos que pagar mais nada, a não ser manutenção / impostos. Pronto, é um PPR com juros invertidos :) mas fica lá qualquer coisa e a valorização da casa ao final dos 30 anos certamente ajudará. Se puxarmos um pouco pela memória, lembramo-nos de valores nos anos 90 de 10/15 mil contos por um apartamento T2/T3 novo... isso são 50k/75k €.

 

Mano

Comprar casa é um investimento?

Para mim, ser proprietária da minha casa sempre foi um objectivo/sonho. Sempre equiparei essa propriedade a segurança financeira, um tecto, uma segurança.

 

Confesso que ultimamente tenho pensado se realmente compensa as desvantagens, porque as há. Claro que estou a falar de uma casa de habitação, não um imóvel para arrendar.

 

1. Custos de aquisição 

Quando investimos algo, temos capital e esse capital renderá juros, dividendos, etc. No caso de um imóvel, o capital (preço da casa) é acrescido de custos diversos, desde os juros, os seguros e os impostos.

Ora, quando investimos, também esperamos uma valorização do capital, mas na verdade, uma casa dificilmente valorizará (durante a vida de quem a adquiriu) para cobrir todos esses valores.

 

2. Custos de manutenção

Depois de comprarmos a casa, continuamos a pagá-la. Há sempre impostos anuais e despesas com a manutenção do imóvel.

Depois, se for um apartamento, muitas vezes têm condomínio e até despesas extraordinárias com obras no prédio, que somos obrigadas/os a pagar, mesmo que não tenhamos dinheiro. 

E não esquecer os seguros.

 

3. Pode ser "uma prisão"

Aqui entramos no nosso estilo de vida e naquilo que desejamos que ela seja. Ter um imóvel pode ser um impedimento:

- quando desejamos mudar para um emprego que fica noutra localização;

- quando mudamos de emprego e queremos mudar para mais perto deste, reduzindo assim (em muito) as nossas despesas (transportes, alimentação, se calhar o horário do ATL porque não chegamos a casa a tempo para receber os miúdos);

- quando queremos mudar para viver num local mais saudável, com menos impostos e mais benefícios, mais perto de escolas, etc.

- quando queremos mudar por causa de problemas com/de vizinhança;

- quando queremos mudar porque a família aumentou ou diminuiu.

 

4. Os imóveis também podem desvalorizar 

Já vi blocos de apartamentos ficarem tapados pela construção de um silo auto. Já vi moradias ficarem com terrenos expropriados e a paredes meias com vias rápidas e auto estradas. Esse tipo de problemas desvaloriza, de imediato, um imóvel.

 

Não quero com isto dizer que a compra de uma casa é um bom ou mau investimento. Porém, julgo que as perguntas são válidas e importantes de pelo menos considerar, especialmente se estivermos a considerar contrair um empréstimo para pagar o imóvel.