Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Não desistir

Descontos, 17.01.17

001.jpg

Aqui está a minha disciplina e a falta dela, a cores, ainda por cima.

 

As soft news estão cheias de artigos sobre o dia mais triste do ano: está frio, as festas acabaram e a maioria das pessoas já se esqueceu das resoluções. Pior, não se esqueceu, nada fez e tem na boca o sabor amargo do falhanço. 

 

É nesta altura que vejo desistirem das suas resoluções: como falharam 15 dias não vale a pena continuar. 

 

Não desistam. 

 

No ano passado tinha duas resoluções: não comprar vestuário e não comprar livros. 

Logo em Janeiro esqueci-me que tinha feito a resolução e comprei meias. Depois, gastei €3 em duas camisolas de lã numas promoções do CNT. Também gastei €2 num livro. 

 

Poderia ter decidido esquecer as resoluções - se não posso dizer que não comprei, que se lixe... então vou comprar porque, perdida por 1, perdida por 1000. 

 

Mas uma coisa é gastar €1 e outra é gastar €1000. 

 

Por isso, no dia seguinte a ter falhado, persisto na resolução: não comprar vestuário ou livros.

 

E é persistindo, mesmo depois de falhar, que cheguei ao final do ano gastando cerca de €10 em vestuário e menos de €2 em livros. 

 

Se não o tivesse feito, seria uns euros aqui e ali e os pequenos gastos somariam uma grande despesa.

 

Por isso, não desistam. O melhor dia para começar é sempre aquele em que começam. 

Simplificar as finanças pessoais - já!

Descontos, 09.01.17

2000px-Green_Arrow_Fast.svg.png

Para quem achou que os posts sobre objectivos foram demasiado complexos, deixo-vos com a estratégia de poupança que considero ser a mais simples e eficiente: transferências automáticas.

 

Utilizo as transferências automáticas para diversos envelopes e é tão simples como 1, 2... não há 3:

1 - Criar um objectivo ou um prazo

2 - Criar a transferência (eu transfiro para contas a prazo) e os reforços programados (X/mês no dia Y)

 

E está! 

Sugestão: como as contas ainda deverão estar frescas na memória, comecem hoje a poupar para o natal de 2017. 

 

 

Estabelecer objectivos de poupança em níveis

Descontos, 05.01.17

Há várias formas de criar objectivos de poupanças e uma que me parece mais fácil de implementar são os objectivos em níveis

 

Pensem numa escada, em que têm vários objectivos que têm diversas ordem de grandeza:

> conseguir pagar as despesas correntes com o salário (sem recorrer ao cartão de crédito),

>> conseguir poupar para pagar as mensalidades mínimas do(s) cartão(ões) de crédito,

>>> conseguir poupar para pagar mais que a prestação mínima do cartão de crédito com a menor dívida,

>>>> conseguir poupar para liquidar o cartão de crédito com a menor dívida;

>>>>> conseguir poupar para conseguir poupar para pagar mais que a prestação mínima do cartão de crédito com a menor dívida seguinte....

PAGAR TODOS OS CARTÕES DE CRÉDITO

 

É assim com as minhas finanças pessoais: do envelope para levar a família ao cinema em Março (€30) à poupança para a reforma ou para a compra de uma casa. 

 

Quando criamos objectivos anuais, estamos a dividir os nossos objectivos em níveis. 

 

 

O meu fundo de emergência foi pensado em níveis. Primeiro estabeleci como objectivo poupar €500, depois €1000. Como este ano gastei desse valor, o meu primeiro objectivo (primeiro nível) é repor o que gastei em 2016. 

 

O segundo nível das minhas poupanças é adiantar os pagamentos nos meus envelopes, em especial aqueles que terei de gastar em breve.

 

A minha ideia é tratar os envelopes como dívidas e encaminhar para lá as poupanças do mês. Imaginem que em Janeiro poupo €50. Se tivesse o fundo de emergência completo, encaminhava para o envelope menor (para motivação) e adiantava, por exemplo, 10 meses de despesas com material escolar.

 

E trato os envelopes como o sistema bola de neve: primeiro o envelope mais pequeno, menos uma mensalidade no mês seguinte que se torna poupança para outro envelope.

 

 O terceiro nível das minhas poupanças é retomar os pagamentos mensais dos envelopes, mas para o ano 2018 e a poupança de cada mês iria servir para colocar o meu fundo de emergência no nível seguinte: €2500.

 

Mas vamos por partes. Ainda estou no 1º nível: 

- cumprir o orçamento dos envelopes;

- não gastar mais que o rendimento mensal;

- ter €1000 no fundo de emergência.

Estabelecer objectivos de poupança

Descontos, 04.01.17

Comecei a escrever um post sobre como imprimir (gratuitamente) as diversas páginas de uma agenda de finanças pessoais e percebi que a primeira - com os objectivos do ano - tem muito que se lhe diga. 

 

Quando comecei os blogs, os meus objectivos eram: pagar todas as dívidas, de forma a não serem um pesadelo, se tivesse de deixar de trabalhar. 

 

Pagar uma dívida é um objectivo quantificável: é X,00 €. Depois, criamos as estratégias para poupar ao máximo em diversas áreas da nossa vida: 

> poupar na restauração > fazer marmitas > levar fruta

 

Só daí podemos criar outros objectivos, perfeitamente autónomos: levar almoço para o trabalho x/semana ou todos os dias. E as estratégias:

- procurar receitas de sandes nutritivas;

- fazer sopa todas as semanas;

- procurar receitas que congelem bem;

- planear o menu semanal todos os domingos;

...

 

No meu caso, criei uma semanada de 10 euros para todos os gastos com restauração (almoço, lanches,... mas não incluíndo saídas com a minha mãe) e tenho uma checklist diária em que tenho um item: dia de gasto zero na restauração. Essas são as minhas estratégias para atingir o objectivo: não gastar em restauração.

 

Se preferirem apps, sugiro que procurem as que monotorizam os hábitos.

 

Mais, vou utilizar este envelope e o das miúdas para poupar para uma saída especial em Março: vamos ao cinema ver a Bela e o Monstro em família. Tinha-me esquecido desse envelope e assim aproveito o objectivo como incentivo. Ou seja, este objectivo acaba por ser uma estratégia de poupança.

 

A estreia é no dia 16 de Março (cerca de 10 semanas), calculei que necessitarei de cerca de €30 e por isso sei que basta-me poupar €3/semana para atingir esse valor. Se conseguir poupar o valor total, em 3 semanas poupo esse valor.

E é perfeitamente possível não gastar, levando de casa a marmita, uma termos com a meia de leite, uma caixinha com bolachas, uma peça de fruta. Ainda não gastei nada desta semana. 

Como dar uma ajudinha à disciplina

Descontos, 03.01.17

Problema:

tinha de ir ao centro comercial no final da tarde. E lá volta o diabinho: e se comesses por lá?

 

Decidi criar incentivos para vir jantar a casa:

- deixei a máquina de fazer pão a fazer massa para uma pizza (quem consegue resistir a uma pizza?);

- liguei o aquecedor no escritório para voltar para um aquecedor quentinho. 

 

Cristina 2 - Fast food 0 

 

Dia 3 e ainda não gastei dinheiro... além da via verde que caiu na conta e a gasolina ;)

A força de vontade testada no 1º dia do ano

Descontos, 03.01.17

No primeiro dia do ano queria ir ao cinema e almoçar na casa de fast food que estivesse aberta no shopping. Eu SÓ queria ir à primeira sessão para ter a sala vazia, porque detesto salas de cinema cheias, barulhentas e repletas de vírus da gripe.

O meu grilinho falante lembrou-me, de imediato, que iria ultrapassar a minha mesada para maluquices e comer porcaria. 

Tentei negociar com ele e almoçar antes de ir, mas feitas as contas, ainda assim a mesada ficaria quase a zeros.

 

Porque decidi não ir ao cinema:

- estou a aproveitar um mês grátis de audiolivros e estava a meio de um;

- comprei uma mensalidade de Netflix (até 20 janeiro) para ver as Gilmore e encontrei horas de conteúdo que desejo ver (fora as sugestões que me foram chegando);

- estava frio;

- era possível que não houve estabelecimentos abertos na restauração;

- da minha mesada maluquices também saem os custos de envio das trocas e do winkingbooks;

- era muito possível que gastasse mais que o cinema + almoço, durante essa saída;

- o que quero mesmo é comprar um livro com estes €10.00; o primeiro do ano.

 

Por isso, o primeiro exercício de disciplina foi cumprir o orçamento e escolher comprar um livro em vez de uma ida ao cinema. 

 

Linda menina.

1.gif

Sistema de envelopes para 2017

Descontos, 01.01.17

Já terminei o meu orçamento e sistema de envelopes para 2017. 

 

Envelopes físicos Envelope virtual em conta bancária Pagamento pontual directamente do salário
Supermercado - €80/mês Saúde 2 - €50/mês + €308 (transitou de 2016) Telefone - €7/mês (valor sujeito a actualização)
Restauração - €40/mês Auto - € 50/mês Gasolina + estacionamento - €55/mês (aproximadamente)
Maluquices - €10/mês Poupança reforma - €65/mês Obrigações fiscais/reforma - €200
Experiência natal - €5/mês   Estacionamento - sem verba orçada
Vestuário - €5/mês   Restauração extra - sem verba orçada
Electricidade - €60/mês + €50 (reforço)    
Quotas - €5/mês    
Material escolar/livros - €5/mês    
Casa - €10/mês    
Saúde 1 - €12/mês            
Férias - €25/mês (6 meses)    
Miúdas - €15/mês    
Presentes - €15/mês    

 

As minhas finanças pessoais estão organizadas da seguinte forma: tenho os envelopes físicos, tenho contas poupança a prazo a que chamo "envelope virtual" com transferências programadas e tenho o remanescente do salário para ir pagando alguns itens com o cartão multibanco. 

 

Mantive quase todos os envelopes e verbas para cada um intactos. Agora só falta a disciplina para os cumprir.

 

 As rubricas:

Supermercado - €80/mês

Inclui alimentação, higiene, limpeza e lavandaria. 

 

Restauração - €40.00/mês

Inclui refeições em saídas de lazer, almoços no trabalho e até os extras com bolos e afins. Assim, quando mais marmitas, mais sobra para o lazer. É uma rubrica em que quero poupar mais, por razões de saúde.

 

Maluquices - €10/mês

O meu dinheiro livre de culpas, desde despesas CTT com trocas, um bilhete de cinema ou um item que desejasse comprar. Livros!!!! Para gastar livremente.

 

Casa diversos - €10/mês

Inclui itens tão diversas como papel e tinteiros ou líquido para desentupir canalização. Não inclui extras como grandes reparações ou obras. 

 

Vestuário - €5.00/mês

Em 2017 tenho dois cartões presente. Este ano, conto precisar de calças de ganga (um número acima) e algumas camisolas básicas. 

O meu objectivo continua a ser utilizar o que possuo e transitar para vestuário usado ou feito por mim.

 

Electricidade - €60/mês 

Senti a necessidade de actualizar o valor (mais €5/mês). Reforcei com €50 que sobraram do envelope das quotas.

 

Quotas - €5.00/mês 

Pagamento de quotas de associações diversas. Decidi não continuar a apoiar uma instituição que está a passar por uma fase menos boa (em termos de direcção) pelo que reduzi o valor de €8 para €5.

 

Material e livros escolares - €5.00/mês

A reutilização de manuais escolares tem-me permitido poupar neste envelope. No ano passado pude fazer uma doação com o valor que sobrou.

 

Saúde 1 e 2 - € 12 + € 50/mês 

O primeiro envelope é físico e serve para medicamentos e taxas moderadoras.

Já o segundo envelope é apenas virtual (com transferências automáticas) e serve para pagar valores maiores como consultas no sector privado ou lentes para óculos. Senti a necessidade de aumentar de €30 para €50 porque preciso de marcar pelo menos 2 consultas e óculos novos (dois pares) que vão ser cerca de €500-€600. 

 

Férias - € 25/mês (6 meses)

Numa tentativa de substituir coisas por experiências, em 2016 fiz uma longa viagem para que a pequenada conheça o nosso país (Santarém - Tomar) e outra a Soajo com a minha mãe. Mas entre portagens, gasolina, entradas e refeições, é fácil atingir os €200. 

Porque gostaria de ter €150 quando chegarem as férias escolares, vou juntar €25/mês nos próximos 6 meses. Depois, a despesa passa a despesa anual (o que aliás já deveria ter acontecido em 2016).

 

Miúdas - €15/mês

É uma despesa que desejo controlar porque apesar de resistir facilmente a comprar coisas para mim, já não é tão fácil quando se trata das minhas sobrinhas. Criar este envelope ajudou imenso e tenho sido mais cuidadosa em diminuir "tralhas". O meu objectivo é substituir coisas por experiências ou comprar roupa em saldo, mesmo que seja para stock.

Também inclui entretenimento.

 

Presentes - €15/mensal

A minha lista de presentes já está delimitada às pessoas mais próximas, ainda assim ultrapassei o orçamento. Este ano (outra vez) o meu objectivo é que, pelo menos, 50% dos meus presentes sejam caseiros.

 

Auto - €50/mês

Inclui seguro, imposto automóvel, inspecção anual e despesas com manutenção e ainda reparações de pouco valor. Este ano foi uma enorme paz ter esse dinheiro poupado, quando uma reparação ultrapassou os €200.

 

Poupança reforma - €65/mês

Poupança feita com transferências automáticas para uma poupança a prazo, no início de cada mês. Quando atingo €1000 transfiro para certificados de aforro porque os juros são basicamente os mesmos. 

 

Telemóvel - €7.00/mês

Este valor poderá ser alvo de actualização.

 

Gasolina + estacionamento - €55/mês (aproximadamente)

É mais prático e rápido pagar na bomba exclusiva para pagamentos por multibanco e via verde, por isso sai directamente do salário. 

 

Obrigações fiscais/reforma - €200/mês 

 

Restauração extra (sem verba orçada)

Essencialmente os lachinhos, os cariocas e pequenos-almoço (depois das análises) de saídas com a minha mãe. 

Disciplina é a palavra do ano 2017

Descontos, 01.01.17

Sinto-me contra a corrente.

Leio posts a estabelecer como objectivo principal ser feliz, simplificar,... e quando penso no que foi 2016 só me ocorre disciplina. 

 

DISCIPLINA vai ser o meu objectivo para 2017. Eu sinto que o meu orçamento é realista e confortável, que já estou a ser bastante consistente com o registo diário de despesas e que tenho bons hábitos de poupança (quando os pratico). O que me falta é disciplina para poupar.

 

Poupar não me é natural. Eu tenho de me esforçar, criar hábitos e até estratégias para poupar, pois a minha tendência natural e gastar. Eu sou uma consumista.

 

Poupo porque preciso. Eu não tenho um bom salário. Nem pertenço à geração rasca (dos €1000). Preciso de poupar porque tenho de conservar uma casa antiga, onde não pago renda. Uma boa parte do que poupo vai para as obras maiores - arranjar o chão (que tem uma caixa de ar por debaixo) para meter um pé num buraco, arranjar o telhado para não chover dentro de casa. Felizmente tenho essa casa, já que com o meu salário pagar uma renda seria bastante pior. 

 

Não tenho uma fortuna no banco. Depois das obras que irei fazer este ano, as minhas poupanças deverão ficar a zero (salvo a da reforma). Isso é sempre um pouco assustador. Além do que poupei para a casa e para a reforma, todas as restantes "poupanças" são, na verdade, despesas para as quais me antecipo. 

 

Poupo por temer o futuro. Todos os meses poupo €65 para a reforma. Não toco nesse dinheiro. Quando chego ao final do ano, nem €1000 são. A poupança de um ano, quase que só dá para um mês de despesas e isso é assustador. Por isso, também pago €200 para reforçar o meu sistema de previdência, mas ainda demorará 10 anos de descontos para atingir o número de anos mínimos para receber - poderia já os ter, se não fossem as imbecilidades da juventude.

Sou sozinha pelo que só posso contar comigo para ganhar (e para gastar). E se não se importam, prefiro não confiar em caridade alheia.

 

2017 poderá ser pior. Adiei mais um ano, mas 2017 poderá ser aquele em que deixo de ter um salário. Tenho de estar mais preparada para isso. 

 

E agora poderá haver quem conclua que a minha poupança está associada a inseguranças em relação a coisas que poderão nunca se concretizar. Não é assim. 

 

Disciplina será a palavra de 2017 porque tenho uma anemia apesar de ter aumentado o peso. Porque consigo não gastar, num ano, os € 60 euros que destinei a roupa + cabeleireira, mas não consigo deixar de gastar mais de €50/mês em restauração. 

Gasto quase tanto em restauração como em poupança para a minha reforma. Não estou a comer melhor, mas pior e ao ponto de se reflectir na minha saúde. 

Por tudo isso, DISCIPLINA.

Pág. 2/2