Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Um novo passatempo que seja dinheiro em caixa

IMG_20180520_171802_150.jpg

A foto mostra umas calças da minha mãe. Não, não fui eu... foram compradas assim.

 

Esta semana já remendei 1 tshirt e 1 calças de fato de treino e fiz bainhas em duas calças... embora deva ser admitido que na da foto, só numa das pernas. Nenhum das peças eram minhas.

 

Numa das cadeiras do escritório, o monte para remendar ou reutilizar já é grande.

 

Ocorreu-me que há várias formas de ocupar o tempo e uma delas é fazer de um passatempo algo de rentável.  

 

Há diversas formas de rentabilizar esses passatempos, vendendo os itens ou o vosso tempo, oferecendo-os como presentes (em vez de gastar dinheiro a comprar) e até fazendo trocas deles com outras pessoas, ou até em grupos de trocas.

 

Imaginem que são aquela pessoa que faz bolachinhas e todas os anos as oferecem a familiares no Natal e gostariam de variar. Podem trocar as vossas bolachinhas com aquela amiga que é um ás a fazer pregadeiras, a costurar umas babetes para os bebés da família ou a fazer porta-chaves personalizados. Tantas ideias quantas as artes...

"Para quê, tanto trabalho?"

Há dias, a propósito do meu trabalho a tempo parcial (não remunerado) no Hospital de brinquedos, alguém me dizia que era inglório, porque provavelmente seria vendido ao mesmo preço - com ou sem roupa, mais ou menos limpa.

Mesmo que tal seja verdade, será que não é de valorizar a experiência de uma criança que receberá o brinquedo limpo, em vez de sujo?

Porque haverá sempre pessoas a ver o copo meio vazio?