Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Finanças pessoais saudáveis - dentada a dentada

Descontos, 25.09.19

Há dias ouvia um podcast sobre o real efeito do exercício na perda de peso. Parece que a ciência está de acordo que não é pelo exercício que se faz, mas pelo que não se come.

 

Nas finanças pessoais é um pouco assim. Podemos ganhar muito dinheiro, mas a poupança surge quando não se gasta (pelo menos para os comuns mortais).

 

Eu sei que me dirão que aumentar os rendimentos é o ideal. É, mas para para a generalidade das pessoas é igualmente irrealista.

 

Se nas dietas temos de fechar a boca, nas finanças pessoais temos de fechar as carteiras. E como nas dietas, acções extremas podem levar a recaídas, por isso comecemos por  uma dentadinha.

 

1.

Identificar uma despesa problemática

Seja pelo valor, pela inutilidade ou apenas a que causa maior irritação.

No meu caso, eu comecei pela marmita. Eu cheguei a gastar cerca de €200/mês em almoços no trabalho. Quando percebi que tinha de poupar, foi aí que concentrei os meus esforços.

Neste momento, a minha despesa problemática são os livros.

 

2.

Come-se um elefante, com uma dentada de cada vez

Se não sabem por onde começar, concentrem o vosso foco numa única despesa.

Poderá parecer pouco e ineficaz, mas a mentalidade que desenvolverão para atacar essa despesa, irá propagar-se para outras.

 

3.

Manter um registo de despesas

IMG_20190922_115155_604.jpg

Seja numa aplicação, num computador ou num pedaço de papel, o registo diário das despesas (mesmo que apenas um tipo de despesas) é incrivelmente útil para nos obrigar a fazer uma pausa, assumir essa despesa e reflectir sobre ela.

 

Eu tenho um registo diário de todas as despesas (mas demorei quase um ano a habituar-me a registar tudo) e todas as semanas faço um cálculo do que gastei, por rubricas.

 

Não é bonito, mas é eficiente e confronta-me com os gastos excessivos.

 

Já descobriram qual é a vossa despesa a atacar?

Afinal sou mais pobre do que pensava

Descontos, 18.09.19

Foi no SapoTek (enquanto procrastinava) que descobri a ferramenta da OCDE para calcular o nosso sentimento de riqueza/pobreza face à realidade do nosso país.

 

Honestamente, eu pensei que estava entre os 40% mais ricos do país, com meu pequenote salário de €750.

a.JPG

Mas parece que a realidade é que 60% dos portugueses ganham mais que eu.

b.JPG

Talvez a minha percepção seja enviesada, precisamente por causa dos meus hábitos de poupança e frugalidade.

Ou talvez porque os rendimentos referidos não comportam as despesas que não tenho, com habitação ou filhos para sustentar.

É um exercício de percepções, somente isso. Porém, não deixa de ser interessante.

 

Como o Estado Português me levou o meu fundo de emergência

Descontos, 16.09.19

Há alguns meses que ando a adiar este post (e uma queixa formal à Procuradoria da Justiça).

 

A adiar porque estou tão furiosa, mas tão furiosa, que só de escrever estas linhas, passados três meses, ainda me vêm lágrimas aos olhos.

 

Em Maio fiquei sem o meu fundo de emergência. Isto porque os serviços da Segurança Social alteraram uma data de registo, de há QUASE três anos atrás, para me cobrarem mais 4 meses de uma prestação, acrescidos de juros.

 

Ou seja, há quase três anos a pagar pontualmente o que devo e, de repente, aparecem-me (no extrato mensal da Segurança SocialDirecta) mais 4 meses, relativos a 2017. Em suma, alteraram a data de início do meu registo.

 

Não acho que tenha sido coincidência que, no início deste ano, tenha sido aprovado um regime de incentivo para funcionários da SS (notícia aqui).

 

Quando fiz o pagamento em Abril, esses meses não constavam no meu extracto de dívida.

 

Eu nunca fui pessoa de deixar contas por pagar. Na minha casa não entram cartas com segundos avisos (excepto um esquecimento MUITO raro, o que não acontece há anos).

 

Porque estas mensalidades nunca me foram pedidas, eu não pude pagá-las pontualmente e receber o reembolso junto da minha entidade patronal. Ou seja, fiquei eu com o prejuízo.

 

É verdadeiramente deprimente, esforçar-me tanto para poupar, para chegar à meta de mãos vazias.

 

Se tivesse cometido um erro (como já aconteceu) custava, mas são os custos da (ir)responsabilidade.

Mas eu não cometi qualquer erro, paguei sempre pontualmente. E isso custa muito mais, porque me levaram o dinheiro e o sentimento de justiça que sentia por ser uma pessoa cumpridora.

 

O meu vício: livros

Descontos, 04.09.19

Eu sou uma acumuladora de livros. É o meu vício. 

Não preciso de comprar livros, essa é a verdade. Tenho 3 cartões de biblioteca e vivo num centro urbano em que as tenho acessíveis e com um bom catálogo.

Ainda por cima já não tenho onde colocar os livros que adquiri. É que esta coisa de andar em lojas solidárias que vendem livros a €0.50 e €1.00 é viciante. E por isso, eu estimo que a minha biblioteca terá 500-600 livros, sendo uma boa centena livros de bolso.

 

Por isso eu não precisava de comprar um lote de livros da www.awesomebooks.com, onde consigo comprar livros usados a preços imbatíveis e com um valor único de portes (cerca de €3), independentemente do número de livros que compre.

 

Com a chegada do Brexit, dificilmente as condições serão as mesmas, pelo que decidi aproveitar. Comprei 9 livros por €22.53.

 

E a dica de poupança é:

1. Não comprem o que não precisam.

2. Se comprarem, especialmente em sites internacionais, procurem códigos de desconto. Bastou-me uma pesquisa na net e encontrei um código de 20% de desconto para aquele site.

Nem tudo que é grátis merece a nossa atenção

Descontos, 03.09.19

Eu comecei eu meu estilo de vida frugal associando a poupança ao grátis. Ou seja, eu poupava se conseguisse borlas e tudo que fizesse diminuir as minhas despesas, mantendo o meu "estilo de vida".

 

Por isso, comecei por pedir ofertas grátis na internet: umas impressões, um porta-chaves, umas amostras, ...

Depois, foram os "cempercente", os vales de desconto, os experimente grátis e os stocks com produtos ao preço ideal, os livros grátis da Amazon Kindle.

 

Agora, começo a sentir quem nem tudo o que é grátis merece a nossa atenção.

 

A minha frugalidade, actualmente, centrou-se no que realmente necessito e utilizo. Coisas como amostras e ofertas acabavam encostadas num canto do armário, sem utilidade, pelo que não se pode dizer que constituiam poupança.

 

Há também a questão da sustentabilidade ambiental.  Faz sentido pedir amostras, tendo em conta os seus custos ambientais (desde a produção, à embalagem e ao envio), para poupar uma quantidade mínima de creme? Eu preciso de um porta-chaves?

 

E que dizer da disponibilidade mental? Simplesmente já não tenho paciência para procurar e manter coisas que realmente não resultam numa melhoria para a minha vida.

 

Neste momento, a minha frugalidade é sinónimo de poupança de recursos, sejam esses os meus recursos financeiros, o meu tempo, ou os recursos do nosso planeta.

De outra forma, é puro desperdício.

O desprezo pelo trabalho manual

Descontos, 02.09.19

Este ano tive de gastar as minhas férias para um período agudo de doença da minha mãe e por isso não tive férias, propriamente ditas.

 

No mês de Agosto, estive a trabalhar nas limpezas de um arquivo.

 

Quando que colocou a questão de quem iria fazer a tarefa, ouvi várias pessoas lamentarem que tivesse de ser eu a fazê-lo, que não achavam bem.

 

Infelizmente, o trabalho manual continua a ser percepcionado negativamente, mais que indesejável, é tido como degradante.

 

Antes de mais, fui eu que me ofereci para a tarefa. Primeiro porque não havia outra pessoa que eu confiasse, que fosse ter a sensibilidade para ter os cuidados que eu tive e depois porque iria ser eu a ter o trabalho de arranjar alguém e certificar-me que fariam o que precisava de ser feito.

 

Honestamente, era menos trabalho fazer, que encontrar quem o fizesse.

 

E enquanto todos sentiam pena de mim, eu considerei que era um excelente momento de pausa em que, estando a trabalhar, pude ouvir dois audiolivros.

 

Entre o menor trânsito, ter o edifício só para mim e estar a ouvir os meus livros, até acho que o meu querido mês de Agosto não foi nada mau.