Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Stress financeiro

As minhas estratégias para a paz financeira

Descontos, 07.11.19

Na página da Fundação Portuguesa Cardiologia, stress é definido como uma “tensão” e que dele fazem parte todas as perturbações físicas e psicológicas que prejudicam ou entravam a nossa tranquilidade.

 

Stress financeiro é, assim,  uma tensão/intranquilidade relacionada com a capacidade de alguém, em responder às suas obrigações financeiras e/ou com a falta de outros recursos para sobreviver.

 

E um conjunto substancial de estudos confirma que existe uma relação entre o acesso a recursos financeiros e a saúde e o bem-estar. Mais, outros vêm confirmado, ano após ano, que o dinheiro é um dos principais motivos de stress,  quando não é mesmo o primeiro motivo.

 

O stress financeiro está frequentemente associado a baixa auto-estima, depressão, suicídio, consumo de álcool e sintomas de saúde física como aumento de dores de cabeça, de estômago e insónia. Nas relações inter-pessoais está associado a divórcios, menos afectos em relação a filhos.

 

Por outro lado, a paz financeira, será um sentimento de segurança em relação à nossa capacidade de responder às nossas obrigações financeiras e/ou com a falta de outros recursos para sobreviver.

 

E, de igual modo, não faltam estudos que associam a existência de estratégias financeiras a bem estar relacionado com a paz financeira.

 

Claro que as estratégias para chegar à paz financeira variam de acordo com a situação em concreto de cada um/a de nós. Mas para mim (e acredito que para a generalidade das pessoas que lêm este blog), elas são:

 

Saber quanto recebo e quanto gasto mensalmente, no global e em rubricas específicas (supermercado, luz, restauração, etc.)

 

Manter-me livre de dívidas

Não compro a crédito e as compras feitas através do cartão do crédito são imediatamente liquidadas a 100%, na minha conta a débito.

 

Ter uma poupança mensal para despesas anuais

Actualmente, poupo €50/mensais para seguro auto (anual) ou reparações. Também poupo  €62/mensais para despesas de saúde (consultas de especialidade, substituição de lentes...). 

São despesas que até podemos não saber o quando... mas são inevitáveis e por isso prefiro ter dinheiro reservado para as pagar, em qualquer momento.

 

Poupar para a reforma

Actualmente reservo €60/mensais para reforma, desconto para a SS e ainda para outro subsistema de previdência.

Para mim, que sou sozinha, a velhice e a doença são focos importantes de intranquilidade, pelo que é importante para mim assegurar que terei uma terceira idade acima do limiar da sobrevivência.

 

Ter um fundo de emergência

Além dos €20/mensais, encaminho para o meu  fundo de emergência tudo que consigo poupar num mês.

 

Não posso dizer que, neste momento, me sinta em paz, mas pelo menos posso dizer que estou muito mais confiante do que me sentia há alguns anos, quando vivia em constante temor que algo acontecesse, sem que tivesse capacidade de reagir.

 

 

Alguns estudos: DOI: 10.1002/smi.2688 (e a ampla bibliografia referenciada); https://tinyurl.com/y2gs6buo;

 

 

MINIMALISMO DIGITAL - No Twitter

Descontos, 03.11.19
Já havia experimentado, mas achei o ambiente tão tóxico que saí rapidamente.
 
Voltei depois de ouvir o livro Digital Minimalism (a ironia...). Nele, uma profissional ligada às TIC explicava como utilizava as redes sociais de forma limitada.
 
Nomeadamente, explicou como utilizava o Twitter de forma estanque - contas diferentes para fins diferentes. Por exemplo, usava uma conta apenas para contactos profissionais.
 
 
E foi aí que me surgiu a ideia de voltar ao Twitter e seguir pessoas e organizações relacionadas com um tópico sobre o qual quero aprender.
 
Está a ser fantástico. Vou mantendo-me actualizada quando a cursos online, conferências, discussões....
 
Não intervenho em nada: não comento, nada de gostos, etc... Apenas uso a rede social como fonte de informação.
 
Basta-me entrar 1 vez por semana e estou actualizada.
 
E para não ser sugada para o click... coloquei a coluna de temas quentes em Coreano... ou seja, em caracteres que não consigo ler.
E assim não há tentação para ficar a saltar de tema em tema durante uma hora.

Capturar.PNG

Futilidades

Descontos, 02.11.19

3.PNG

Está uma mulher a tentar organizar o orçamento e descobre que há uma multi-pen com lapiseira. Se conhecem alguém que goste de material de papelaria, este é um excelente presente.

Felizmente, para mim, o facto de as esferográficas serem 1.0 mm é pouco atractivo. Eu prefiro 0.5 ou 0.7 (no máximo). 

Se conhecerem um modelo equivalente com escrita fina, agradeço que não me informem.

Diário das minhas finanças pessoais - Outubro

Descontos, 01.11.19

Uau!

 a vossa influenciadora (a preferida, claro) conseguiu a proeza de, em Outubro,  terminar o mês com um saldo negativo de 160 €.

 

E vocês perguntam como? E eu respondo: com uma série de disparates, mas também com alguns gastos controlados.

 

Com o carro gastei 88,97 € quando meu orçamento  prevê 80 € por mês.

 

Gastei 33,80 € em restauração, ultrapassando o orçamento em 3,80 €.

Também gastei 22,38 € restauração extra. 

 

Na rubrica maluquices,  em que podia gastar 10 € por mês, gastei  47,25 €. Metade esse valor, foi em livros.

 

As despesas com o supermercado, que não costumam ultrapassar os 80 € do orçamento,  chegaram a 155 €.  

Este é um dos casos de despesas controladas.  Fiz despesas extra em stock e ainda em alguns ingredientes especiais, como por exemplo 15 € em adoçante stevia para cozinhar no natal.

O meu envelope para a casa continua negativo e este mês gastei 53 €, ao comprar ferramentas para a bicicleta, vouchers da Media Markt e do  MEO videoclube (ambos com cerca de 50% de desconto) e uma nova agenda.

 

Gastei também, mas dos envelopes 13 € para prendas e 13 € para a saúde. Ou melhor,  eu penso que gastei do envelope, pois na verdade não me recordo se tirei o dinheiro ou não.

 

Mas como,  no envelope ou na conta bancária, o dinheiro é meu,  não me preocupo com isso.

 

Quando eu digo que entrei com saldo negativo,  não significa tivesse efetivamente saldo negativo na conta mas simplesmente que paguei contas que recebi em Outubro ( e para mim,  o mês de recepção é o mês de pagamento), já com o salário para Novembro.



E como Novembro é para mim o mês em  antecipo as compras de Dezembro (antecipação que já comecei em Outubro),  vou necessitar uma considerável gestão e disciplina para não repetir o saldo negativo.


Espero sinceramente que se tenham portado melhor que eu, este mês.