Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

O meu 1º fundo de emergência

18.07.13

Pergunta: Como começou o seu primeiro fundo de emergência?

 

 

A pergunta é enganadoramente simples. A verdade é que o meu começo foi cheio de avanços e retrocessos... mudanças de opinião, flagrante indecisão... Por isso, a resposta só não é simples porque eu fui muito desorganizada.

 

Querendo facilitar a vossa tarefa, partilho o que resultou comigo. Foi algo tão simples como isto: o meu primeiro fundo de emergência foi o valor do meu salário. Um salário. 

 

Coloquei os pagamentos dos cartões de crédito no mínimo possível.

 

Eu não criei um objectivo temporal para o atingir porque, inverti o processo: cortei em todas as despesas que pude (nesse mês) e aloquei o que sobrou para o fundo de emergência. No mês seguinte, fiz exactamente o mesmo e sucessivamente. Assim atingi o 1º fundo de emergência.

 

Poderá ser que para outras pessoas, faça mais sentido pagar de imediato uma pequena dívida que tem como consequência os gastos acrescidos de um cash advance, por exemplo. Ou alguém que sabe que consegue poupar X por mês, transfira esse valor (mal receba a salário) para uma conta à parte (se possível noutro banco, sem acesso, excepto ao balcão).

 

Cada caso é um caso. O importante é saber o que resulta connosco. Pequenos passos levam-nos muito mais longe que estar parada, sem nada fazer.

 

Faça-o. Seja 100 ou 10... faça-o. Mas seja realista nesse valor. Almejar demasiado em pouco tempo é condenar-se ao falhanço antes sequer de começar.

 

Calcule essa quantia, de forma realista, e aloque à criação do primeiro fundo de emergência... torne-o algo simbólico: 1 mês de salário, 1 prestação mensal da casa ou a soma de ambos os valores. 

 

É uma pessoa visual? Pegue numa folha quadriculada, faça um quadrado com tantas quadrículas quantos os euros que quer juntar. Cada vez que poupar esse valor, pinte os quadradinhos. Assim vai tendo uma referência visual das suas poupanças. 

 

(continua)

6 comentários

Comentar post