Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

O nosso sistema nacional de saúde

26.01.17

Nos últimos dias tenho lido e ouvido muito sobre o sistema de saúde nos EUA, por razões óbvias. Não posso deixar de pensar que felizmente estamos muito melhor. 

 

Ontem, fiquei a saber que o Texas tem o maior índice de mortalidade materna dos mundo desenvolvido; que a mesma duplicou depois de terem cortado o financiamento a clínicas de medicina pré-natal (que no fundo servem os mais pobres, que não têm acesso a seguro de saúde ou que não podem incluir essa cobertura, por causa do aumento no prémio).

 

 

As mortes duplicaram em 2011-2012, o que é absolutamente chocante. Os únicos países com semelhantes aumentos nesse período foram o Afeganistão, República do Botswana e a República de Chade. (fonte)

 

Daqui retiro a lição de que, devemos sempre resistir a cortes na saúde. É que no final, parece que acabamos por pagar com a vida.

A preparar-me para a época das constipações

11.11.14

Os narizes começam a pingar, as tosses começam a ouvir-se. Abriu a época das constipações e gripes. 

 

A questão da vacina - tomar ou não tomar - é uma escolha pessoal e há quem tenha argumentos bastante pertinentes para ambas as opções.

 

Para quem optar pela toma, tenho umas dicas (umas mais científicas que outras): a vacina da gripe é, na sua essência, uma injecção com vírus "adormecidos" para que o nosso corpo aprenda a defender-se deles.

Assim, antes da toma eu costumo ajudar na batalha com aumento do consumo de vitamina C (seja em frutos ou em comprimidos efervescentes). Se odeiam os comprimidos de vitamina C e acham muito agressivos para o estômago, então aqui vai a dica nº2: enquanto o comprimido efervesce no copo, comam 1 ou 2 bananas da Madeira. O estômago fica forradinho e a boca tão docinha que nem vão sentir o gosto do líquido. 

Usem as minhas sugestões por vossa conta e risco ;)

 

Quanto a anti-gripais, deixei-me disso há bastante tempo. Aqueles que têm cafeína são particularmente de evitar. Como me disse um médico há muito tempo, os medicamentos para esta altura são um medicamento com paracetamol (um dos mais conhecidos é o Ben-U-Ron) e um anti-histamínico para aliviar a parte nasal (embora existam estudos que evidenciam que estes últimos não são particularmente eficazes).

 

O que aprendi é que cada constipação é diferente. Uma ataca mais o nariz, outra a garganta. O importante é utilizar o medicamento com o princípio activo mais indicado para esse problema, em vez dos anti-gripais cuja composição pode ficar aquem das necessidades e que podem ter ingredientes "estimulantes" que apenas mascaram os sintomas. 

 

Assim, o que fiz foi questionar o meu médico quando aos medicamentos que deveria ter em casa para um SOS constipação: paracetamol, anti-histamínico de 2ª geração (não provoca sonolência) e sray nasal (água de mar). 

 

Quais são as vossas "armas" para a constipação simples? 

 

P.S. - A arma nº1 é água+sabão: lavar as mãos com frequência, quando estamos fora de casa e podemos tocar em objectos (por exemplo puxadores de porta) infectados.

O meu futuro: a saúde

05.10.14

Há muito que decidi que vou ser centenária. Sim, quero viver para além dos cem anos porque tenho uma enorme curiosidade em acompanhar a evolução do mundo. 

 

Claro que me dirão que posso ser atropelada hoje e lá se vão os planos. Mas a vida - ou a morte - é assim: imprevisível e cheia de surpresas (a morte sendo das desagradáveis).

 

Poderão também dizer-me que isto não tem nada a ver com finanças pessoais e que o dinheiro não compra saúde. Eu replico que os milhares de doentes de hepatice C que ficariam curados se tivessem os 50 mil euros que necessitam para comprar o medicamento que tem a cura, discordam. O dinheiro não traz felicidade, excepto quando se vive num limiar de pobreza em que isso é a infelicidade.

 

Daqui a 50 anos eu quero ser saudável. Não tenho como objectivo ser a mais velha maratonista do país mas quero movimentar-me sem dor e conseguir realizar as tarefas básicas: fazer a minha higiene pessoal, vestir-me e preparar as minhas refeições. 

 

Para isso há que planear com antecedência e, no meu caso, isso quer dizer que tenho de mudar comportamentos:

 

I) fazer análises sanguíneas todos os anos e acompanhar alguns valores*:

a) colesterol mau, LDL, deverá ser mais ou menos 100mg/dl

b) colesterol bom, HDL, deverá ser superior a 40mg/dl

c) homocistéina (sub produto de ingestão de proteínas) deverá ser igual ou inferior a 9 mg/dl

d) PC-R (mede o nível de inflamação no corpo)

e) açúcar no sangue (inferior a 100mg/dl)

 

II)  desenvolver hábitos que ajudam a saúde:

a) lavar as mãos é o melhor método para prevenir infecções

b) fazer uma boa higiene bucal (periodontite é "uma das causas principais de desprendimento dos dentes nos adultos e é a principal em pessoas mais idosas" e as bactérias podem entrar na circulação sanguínea e afectar o coração)

- boa higiene bucal diária inclui o fio dentário e elixir todos os dias, menina Cristina! [nota: o elixir não deve conter álcool]

- lavar os dentes durante 2 minutos 

c) melhorar a minha alimentação

 

III) Investir na prevenção:

a) consultas anuais no dentista e ginecologista (e exames)

b) vacinação (a do plano nacional de saúde e gripe)

c) suplemento vitamínico** [magnésio 400mg/dia, cálcio 600mg/2xdia, vitamina D 400UI/dia, vitamina C 600mg/2xdia, vitamina E 400UI/dia, vitamina A 1500 a 2500UI/dia]

d) comer 4 peças fruta por dia (nota: banana é rica em potássio)

e) substituir farinhas e massas refinadas por integrais

f) fazer exercício

 

 

* informações que recolhi do 1º capítulo do livro

 ** Se o indicado são as recomendações do livro, o meu suplemento vitamínico (Becozym C, €8.30) fica aquém: [magnésio 100mg, vitamina C 500mg, cálcio 100mg, não tem vitaminas A, D ou E]. Todavia, há que ter presente que essas vitaminas e minerais deveriam vir da alimentação. Confesso ainda que sou ambivalente sobre o consumo de suplementos vitamínicos. Tenho de reflectir melhor sobre este tópico.

 

Não sei se perceberam, mas este post é mais para mim que para vós. É o meu lembrete, a minha cábula. Ainda assim, espero que vos seja útil ;)

 

Vou continuar a ler o livro (emprestado), 1 capítulo por semana. Porém, confesso que já tive mais confiança no que o Dr. Oz diz.

Seguro de saúde - orçamento para saúde

14.06.14

Há cerca de 2-3 anos eu possuía um seguro de saúde. Este foi uma das primeiras despesas de que abdiquei. Não o fiz de ânimo leve, foi a constatação que o que gastava nele + franquias não correspondia à sua real utilização (um ano, chegou a ser zero; no seguinte, uma única consulta que nem utilizei o seguro porque tinha a franquia de primeira utilização do ano).

 

Hoje, não posso dizer que não tenha alguma ansiedade em relação à minha decisão. Seria uma segurança (não é para isso que servem?). Mas não vale a pena chorar sobre o leite derramado e fazer outro agora não faria sentido por causa das exclusões associadas a doença pré-existente. 

 

Assim, considerando que continuo a trabalhar em construir o meu orçamento REAL/REALISTA, decidi repensar o valor disponível para saúde

 

Eu tenho sido imensamente descuidada na realização de consultas e exames de controlo de doença. Isso tem de mudar (sim, eu já havia dito isso antes, mas agora vou mesmo cumprir).

 

Decidi ficcionar 1 ano médio de gastos em saúde:

- 2 consultas em medicina privada: €80 x 2

- 1 consulta em dentista: €50

- 3 consultas no posto saúde: €5 x 3

- medicamentos (inclui pílula): €70

 

Total: €295/ano

 

Outras despesas médicas (por exemplo uma cirurgia relacionada com dois sisos deitadinhos a dormir) seriam consideradas de emergência e seriam cobertas pelo fundo de emergência.

 

Com efeito, em jeito de comparação, neste momento tenho como gastos +- €30.00 porque apenas fiz uma consulta no posto médico e comprei medicamentos.

 

Em relação ao orçamento anterior, são apenas mais €13.00 mensais que posso dispor e que acrescerão à minha paz financeira. Assim, decidi arredondar o montante para €300/ano o que perfaz €25/mensais.

 

Este é um orçamento realista para uma situação ideal: eu cuidar da minha saúde (para que não seja ela a tratar de mim, estão a perceber a ideia?).

Poupar com a saúde / Poupar a saúde

14.05.13

Acho que poucas mulheres não terão hoje feito uma revisão mental do que está por fazer relativamente ao seu estado de saúde. Confesso que sou uma delas.

 

Há exames que têm sido adiados tempo demais. Hoje, finalmente corrigi o meu erro. Os exames sanguíneos serão realizados ainda esta semana (tinha a requisição desde Janeiro); a consulta com a ginecologista está marcada; a ecografia mamária por levantar e por repetir desde 2011, também está agendada.

 

Vivemos tempos difíceis cheios de incertezas. Aditar a estas um problema de saúde, que poderia ser tratado preventivamente com o mínimo esforço é dançar com o diabo.


Por isso, poupem a vossa saúde fazendo os exames médicos preventivos.

Poupança no posto médico...ou não!

11.02.13

Juro que quando saí de casa para ir buscar uma receita para vacina da gripe não pensei que em 1/2 hora iria conseguir poupar mais cerca de €50.00. 

 

Vamos a contas. A vacina da gripe foi-me oferecida porque tinha sobrado de um lote (uma espécie de oferta de aproximação de fim de validade) e poupei tempo e dinheiro (aproximadamente €5.00).

 

Depois, aproveitei para pedir a pílula anticonceptiva, foi-me fornecida para para um ano: €11.85 x 4 caixas = €47.40

 

Eu confesso que detesto ir ao posto médico apenas para ir buscar a pílula anticonceptiva. Por inércia acabo por comprá-la. Iria fazê-lo esta semana.  Mas realmente, pensando bem, parece-me um desperdício de recursos já pagos e parece-me muito prático.


Problema: cheguei a casa e vi que a pílula tinha como validade 09/2012.