Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

A poupança não é uma linha recta

Descontos, 09.06.20

1.JPG

Num artigo do Bored Panda, descobri que a Inglaterra é conhecida pelos seus muros ondulantes. Pesquisem por "crinkle crankle garden walls" e deliciem-se com imagens de caprichosos muros a serpentear pelos jardins.

 

Por estranho que pareça, a forma dos muros deve-se à sua eficiência de recursos: um muro ondulante gasta menos tijolo que um muro em linha recta. Em linha recta, com tijolos tão estreitos, tombaria.

 

Achei que estes muros eram uma excelente metáfora para a poupança:

1.

A poupança nem sempre é uma linha reta, que seguimos do princípio ao seu objectivo final. Com frequência, precisamos de andar devagar, por vezes aos círculos, com tentativas e erros e até recuando para retomar outra vez.

2.

Por vezes, a poupança é apenas aparente. Quando gastamos dinheiro em coisas baratas, muitas vezes isso leva-nos a gastar em coisas inúteis ou que se vão deteriorar rapidamente. Assim, a linha recta do comprar barato, torna-se mais caro.

3.

A poupança obriga-nos a utilizar da forma mais eficiente os recursos que temos.

Uma pessoa sem a intencionalidade de procurar poupar, simplesmente faria um muro maior e provavelmente muito mais dispendioso.

Atirar dinheiro a um problema, raramente conduz à poupança.

9 comentários

Comentar post