Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Como construir um orçamento anual - parte 2

Descontos, 07.04.14

Para mim, o mais difícil em criar um orçamento anual é prever o valor anual ou até mensal de algumas despesas. Algumas foram simplificadas pelo facto de eu já fazer um registo das minhas despesas. Mas, além de representar o que gastei, eu quero que represente o que quero gastar, em termos de limites a certas despesas (estou a precisar).

 

Primeiro procurei informação sobre orçamentos anuais - nada... nicles. Excepto... um excelente vídeo que insistiu na importância de não desvalorizar algumas despesas e incluir sempre uma verba para divertimento (também foi o que recordou da verba para vestuário...ups!). 

 

A primeira coisa que fiz para criar o meu orçamento anual foi dividir uma folha em 7 colunas:

 

1. Descrição da despesa

 

Se é alimentação, vestuário, gasolina...

 

2. Valor semanal

3. Valor mensal

4. Valor anual

 

Como há valores que são pensados em termos temporais diferentes, vou anotando de forma a reflectir a realidade. Só posteriormente edito para corresponder a uma verba mensal ou anual. 

 

Por exemplo, o que gasto em almoços no trabalho é pensado em valores semanais. Já o que gasto em gasolina, é pensado em termos mensais e o que gasto em seguro do carro é pensado em valores anuais.

 

5. Banco/corrente

6. Banco/extras

7. Dinheiro

 

Cada despesa tem diferentes formas de pagamento. Por exemplo, quero utilizar envelopes para os almoços, mas a gasolina pago por cartão multibanco (banco/correntes). Já o seguro do carro irá para a conta de reforço do fundo de emergência (banco/extras).

 

 

Se depois de criar esta tabela chegarem à conclusão que o saldo é negativo, recomendo que revisitem as verbas e criem prioridades. Foi o que fiz.

 

A minha opção foi  de começar por um orçamento que reflectisse a realidade actual e ir ajustando à medida que as situações ocorrem. Por exemplo, se deixar de trabalhar, há despesas que previ que também desaparecem e outras que diminuem. Mais, continuo a incluir como "despesa" duas poupanças que tiro logo no início do mês (naturalmente que essas só existem se houver o que poupar).

 

Neste momento é um orçamento de €670.00 mensais em que, se retirar obrigações fiscais/reforma e poupanças, passa a €393. E desse, ainda é possível cortar outras despesas, por ordem de prioridades (presentes, restauranção, etc.).

 

Mas prometo que as descrevo tudo em pormenor no próximo post.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.