Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais - Janeiro

15.02.21

2021 chegou e continuamos em 2020.

Pelo menos é assim que me sinto.

 

Como estou em casa, simplifiquei as minhas finanças pessoais. Por exemplo, não anoto os gastos diários na padaria, simplesmente anoto 5 € semanais, seja ou não um valor real. É aproximado e isso basta-me.

 

Os meus gastos em Janeiro:

 

Quotas: 24 €

Contribuir para uma associação local que apoia idosos é, para mim, um acto de cidadania. Valor saído do envelope físico. 

 

Casa: 13,60 €

Tive de comprar uns auriculares novos e um rato para o escritório. Mas parte desse valor foi devolução de um rato avariado.

 

Telemóvel: 8,94 €

Confesso que não me recordo porque gastei mais do que a mensalidade (7.50 €). Penso que fiz uma chamada de donativo.

 

Saúde: €29,41

Máscaras, medicamento e afins.

 

Luz/gás: 25.50 €

Uma botija de gás. Valor saído do envelope físico. 

 

Supermercado: 160,05 €

Em Janeiro gastei o dobro do habitual.

Parte explica-se pelo facto de não estar a privilegiar as compras mais económicas, mas as de proximidade ou nos locais onde os meus pais desejam comprar (sou eu que faço as compras). 

Se acrescer a isso, o facto de custear as taxas de entrega e de me ter tornado uma comedora de fruta...

Ainda assim, muito acima do que eu esperava, tendo em conta que pouco mudei no meu consumo diário.

 

Carro: 3.40 €

Nem gasolina tive de meter. Surreal.

 

Maluquices: 24.54 €

Inclui as revistas que passei a comprar para a minha mãe (16€/mês).

 

Donativos: 30.85€

Infelizmente, estamos num período em que este valor é pequeno para as necessidades.

 

Restauração: 30€

Take Away mais uma sessão de castanhas assadas (pré-confinamento). Bons investimentos.

Confesso que não prefiro o take away à comida de casa, mas considero estar a fazer a minha parte para apoiar os restaurantes locais.

Por isso, não utilizo grandes cadeias, seja para a comida ou para as entregas.

 

Vestuário: 20€

Tive de comprar 3 calças de fato de treino. Uniforme para os novos tempos.

 

Não houve grandes disparates.

Fevereiro promete ser diferente porque me espera uma valente despesa com o carro. Mais uma reparação, a somar aos 500 € que gastei no ano passado.

4 comentários

Comentar post