Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Electricidade - navegar as notícias

slava-bowman-161209-unsplash.jpg

Photo by Slava Bowman on Unsplash

 

Para começo de conversa, a EDP já vai avisando que com baixa ou sem baixa, o dela está garantido. O Governo anuncia descidas (pseudo-descidas) e depois acabamos por pagar em diversas frentes.

 

A eléctrica salienta que os cálculos do regulador para a nova proposta tarifária incluem a alegada sobrecompensação dos CMEC. Uma medida contra a qual a EDP reitera que irá lutar través de todos os meios legais. 

 

E nem estamos a falar da descida do IVA, mas do aumento previsto para o mercado regulado:

No próximo ano a factura da electricidade dos clientes em mercado regulado vai aumentar 0,1%. 

 

Já quanto à noticiada descida do IVA: 

A redução do IVA na parte fixa da conta da electricidade, na potência contratada, pode não entrar em vigor a 1 de Janeiro, já que no Orçamento pede-se apenas autorização para o Governo legislar nesse sentido. E ainda vai ser sujeita ao comité do IVA. 

 

E mesmo que entre em vigor: 

Segundo a proposta de lei, a redução do imposto no termo fixo das facturas de electricidade e de gás natural “limita-se a uma potência contratada [eléctrica] que não ultrapasse 3,45 kVA e a consumos [de gás] em baixa pressão que não ultrapassem os 10.000 m3 anuais”. 

 

Que segundo Catarina Martins:

O Governo apresentou apenas a possibilidade de descida do preço do contador e para contadores até 3,45 kW o que é uma potência muito baixa, não atinge praticamente ninguém.