Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Paixões, tempo e formas de poupar dinheiro: livros

Descontos, 14.07.15

Lady in a Red Jacket_1922_Mary Bradish.jpg

 

Eu adoro livros. Adoro os conhecimentos, as histórias mas também do livro como objecto. Mais, gosto de coisas relacionadas com livros, desde podcasts a marcadores de livros.

 

Uma das minhas frustrações é não poder/dever comprar livros de forma ilimitada. Não posso porque não sou rica e não devo porque não tenho mais espaço onde os colocar.

Não consigo desfazer-me de livros, não daqueles que gosto e não dos que não li - na minha casa isso deverá ser uma ou duas centenas de livros. 

Não preciso de comprar livros para ler. Tenho livros em casa para me ocupar alguns anos, tenho mais na casa dos meus pais. Se precisar ainda tenho alguns amigos a quem pedir. Mais, tenho livros que quero muito ler. 

 

A forma de resolver os meus "problemas" é recorrer a uma biblioteca pública. Tenho acesso a três, embora não seja muito fácil a aceder a duas delas porque funcionam em horário laboral - e eu estou a trabalhar. A terceira é perto do trabalho e funciona durante o horário de almoço o que me permite uma visita e uma caminhada.

 

Adoro listas de livros. Além de ler, faço listas de livros, sejam sugestões de alguém que respeito, algo que li algures, as célebres melhores do ano, da década, do século, da vida.... 

Em vez de passear em livrarias, passeio pelo catálogo das bibliotecas, passeio pelos corredores da mesma e pela mesa das novidades (nessa mesa estava "A Vida Secreta dos Intestinos", um livro que andava curiosa para ler e que custa cerca de €15).

Em vez de passar a hora de almoço a passear por montras de lojas, vou à biblioteca e levo livros grátis. 

 

Em vez de gastar crédito de videoclube, passo o tempo a ouvir programas sobre livros (em especial o BookRiot, já vai em mais de 100 programas e eu comecei a ouvir o mais antigo; tenho várias horas disponíveis).

A falta de dinheiro não significa (sempre) que tenhamos de abdicar das nossas paixões.

15 comentários

Comentar post