Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Melhores finanças pessoais em 2019: Vender tralhas

Hoje vendi 26 copos que nunca usei por €20. Estavam há 20 anos num sotão, sem sairem das suas caixas. 

No meu bolso, permitiram-me pagar uma torradeira/grelhador (usada, um 2 em 1), que por sua vez permitiu que libertasse espaço do outro grelhador (demasiado grande) e torradeira, que foram doados a um familiar.

Tudo vantagens. 

Capturar (8).JPG

Este fim-de-semana aproveitem para vender 1 coisa. Uma única coisa. Fotografem bem, sejam cuidados/as com a descrição e publiquem o anúncio. Boa sorte! 

Se possível, comecem por colocar algo com um valor de €15-€20, para compensar o trabalho que virá de seguida: responder a mensagens, combinar entrega e pagamento, etc.

 

Não é só o espaço e o dinheiro. O acto de destralhar, de olhar para as coisas e perceber que já não as querem, irá fazer com que reavaliem as vossas compras. 

Financiar o fundo de emergência vendendo velhas aspirações

Eu sonhei ter um  lindo e colorido serviço de louça da Vista Alegre. E porque tinha familiares que gostavam de mim, fui recebendo, peça a peça, o sonhado serviço. 

Capturar (4).JPG

Mas a realidade é que raramente o usei, assim como um serviço de dezenas de copos (em que uma boa parte nunca saiu das caixas). Na verdade, ao desarrumar as caixas e caixinhas ainda encontrei peças que nem sabia que tinha.

 

Também encontrei no sotão dos meus pais um serviço de chá que recebi "para o enxoval", ainda em adolescente. Está na caixa em que me chegou - nunca foi usado. Já o ofereci a uma familiar.

 

Por vezes, temos de pura e simplesmente aceitar que mudamos. Os nossos gostos mudam, as nossas prioridades mudam.

 

O único obstáculo para me desfazer de tudo, era o sentimento de dever para quem mos ofereceu. Porém, a realidade é que as minhas prioridades também são outras e não estamos a falar de bens transmitidos entre gerações. Tudo foi comprado de novo para mim e não posso continuar a sentir-me refém de COISAS.

dawid-zawila-275831-unsplash.jpg

O produto da venda foi convertida em fundo de emergência e o móvel onde tinha a louça foi doado.

Curiosamente, o móvel era a última peça de mobiliário de um conjunto de sala que, peça a peça, fui doando a um familiar.  

Foto de Dawid Zawiła - Unsplash

Melhores finanças pessoais em 2019: I´m a material girl

Eu tenho plena consciência que o meu estado natural é ser consumista e materialista. Eu gosto de coisas. Se tivesse como pagar, onde ter e quem limpar, a minha casa seria um museu + biblioteca + zona de lazer e com piscina aquecida, claro.

A realidade é uma casa com fissuras, muitos livros e poucas estantes para os livros que tenho. Por isso começo o ano com uma operação Destralhar e, ao contrário de anos anteriores, serei muito mais incisiva.

 

Neste momento, porque tenho muitas limitações no que respeita a saídas, a casa e o que faço dentro dela será o meu principal foco: limpezas, obras de conservação, destralhar e organizar.

 

Quanto mais temos, mais gastamos, desde a aquisição à manutenção. Não só dinheiro, mas também em tempo. 

 

E porque sei que sou uma pessoa visual (no meu caso é: longe da vista, longe do cérebro), em 2019 irei fazer um registo específico do que entra e do que sai (excluído alimentação e consumíveis de limpeza), ou seja, do que comprei e do que destralhei. 

 

Alerta mensal no google calendar com o nome: operação destralhar

Criei um evento no meu calendário pessoal e nas definições indiquei que repetia mensalmente. 

Caderno físico

Fui buscar um resto de um bloco de notas para usar como registo físico. Ficará pousado junto ao computador, um local onde estou diariamente.

O caderno estava a desfazer-se por isso cobri a capa com recortes de revistas e fita cola larga.

IMG_20181230_180031_731.jpgIMG_20190101_190958_236.jpg

Fotos = lembretes

Vou utilizar a câmara fotográfica do telemóvel para me enviar lembretes do que compro ou do que destralho, se estiver fora de casa.

 

Ou seja, vou tentar anotar o que gastei e fazer um balanço mensal. O objectivo é que esse balanço mensal me faça reavaliar as compras que fiz e seja uma forma de avaliar futuras compras: Preciso? Porque quero? Vai ajudar nos objectivos das minhas finanças pessoais? O que vou deixar de comprar, para comprar isso?