Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza

Descontos, 17.10.19

Diz o Pordata que o limiar do risco de pobreza é o "limite abaixo do qual se considera um rendimento baixo em comparação com o rendimento de outros residentes no país, não implicando necessariamente uma situação de pobreza."

 

Porém, há um dado que aponta, inequivocamente para uma situação de pobreza: a taxa de privação material severa.

Existe privação material severa quando existe uma  "forte carência de pelo menos quatro dos nove itens de privação material na dimensão da «pressão económica e bens duradouros».

 

Os nove itens a considerar são:

1) atraso no pagamento de hipotecas ou pagamento de rendas, contas de serviços de utilidade pública, compras a prestações ou outros empréstimos;

2) capacidade para pagar uma semana anual de férias fora de casa;

3) capacidade para pagar uma refeição que inclua carne, frango, peixe (ou equivalente vegetariano) de dois em dois dias;

4) capacidade para enfrentar despesas financeiras inesperadas [quantia fixa correspondente ao limiar nacional mensal de risco de pobreza do ano prévio = €467 (2017)];

5) o agregado não pode pagar um telefone (incluindo telemóvel);

6) o agregado não pode pagar uma televisão a cores;

7) o agregado não pode pagar uma máquina de lavar;

8) o agregado não pode pagar um carro; e

9) capacidade do agregado para manter a casa adequadamente aquecida.

 

Os nove pontos (uns mais que outros) são uma interessante perspectiva para analisar as nossas finanças pessoais.

Por exemplo, o ponto 4 destacou-se por ser um excelente objectivo para um fundo de emergência.

 

Alguns números, de acordo com o Pordata, reportados ao ano de 2017:

Taxa de risco de pobreza após transferências (benefícios/subsídios) sociais: 17,3% da população. Essa percentagem sobe para 26,1% se se tratar de uma pessoa solteira, sem crianças. E se for um adulto com uma criança dependente, estamos a falar de 28,3% em risco de pobreza.

Finalmente, 31% dos agregados familiares com 2 adultos e pelo menos 3 crianças dependentes, estavam em risco de pobreza, em 2017.

 

Em 2018, 6% da população vivia com privação material severa. Mais de 600 mil pessoas.

Eurostat - Poupança e dívida

Descontos, 18.07.18

Gorduchita descobriu uma página do Eurostat em que podemos comparar os nossos rendimentos em relação à média nacional.  

O meu especial interesse levou-me a dados relativos à poupaça e dívidas (em relação ao rendimento disponível). 

Com efeito, é evidente que estamos a poupar menos em relação à média europeia. E se é verdade que sempre estivemos abaixo da média, basta olhar para o gráfico e vemos que a diferença aumentou a partir de 2013. 

1 (258).JPG

As nossas dívidas também estão acima da média, mas a partir de 2012 começou a decrescer, cada vez mais próxima do espaço da moeda Euro (não existem dados para a UE).

2 (132).JPG

3 (75).JPG

 

Descobri Sistelo

Descontos, 22.09.17

Tanto eu como a minha mãe somos fãs das cores do Minho e Alto Douro, que variam consoante a época do ano. Quando queremos mudar de ares, é carro por aí acima. 

 

Esta semana decidimos revisitar Arcos de Valdevez, em que o rio Vez domina a paisagem. À chegada, começo a ver imensos cartazes sobre Sistelo ter sido eleita uma das maravilhas de Portugal. Naturalmente, eu tinha de lá ir (a cerca de 30 minutos do centro de Arcos de Valdevez). 

 

Pelo caminho, descobri a EcoVia do Vez. MARAVILHA! Só vi pequeno trechos, porque ia com uma pessoa com mobilidade reduzida, mas fiquei a sonhar com a possibilidade de fazer o percurso entre Arcos de Valdevez e Sistelo (umas 4-5 horas a pé... para cada lado).

 

 

 

Era desolador ver tantas videiras carregadinhas e não ter onde comprar. Um dos locais disse-me que, se colhesse algum cacho, ninguém me diria nada. Mas eu sou da opinião, de que não se deve pegar em nada que não é nosso, sem autorização. No mínimo, é falta de educação, no máximo é furto. E lá porque não tem muro, não quer dizer que esteja abandonado. 

 

A minha mãe estava tão desesperada para levar uvas para casa, que considerou começar a tocar a campainhas, para pedir aos residentes. Ainda fez uma esperinha junto a uma casa, que já tinha a escada à mão. 

 

Lá encontrei uma mercearia (a 3km de Sistelo) que, não tendo para vender, tinha uma maravilhosa proprietária que foi buscar uma escada e apanhou algumas para nos oferecer. Máxima hospitalidade.

 

Estou mortinha por lá voltar. E da próxima vez, a máquina fotográfica não fica em casa.

Estudo - Quanto é necessário para uma pessoa viver com dignidade em Portugal?

Descontos, 05.07.17

É oficial, eu não ganho o suficiente para ter "um nível de vida digno". Já suspeitava, mas agora tenho validação científica.

 

Um indivíduo em idade ativa a viver sozinho deveria ganhar, por mês, 783 euros para ter um nível de vida digno e um casal com um filho menor deveria auferir cerca de 1.800 euros, revela um estudo apresentado esta terça-feira. 

 

O estudo português que incluiu várias universidades, conclui ainda que "as crianças têm um custo superior àquilo que se convenciona habitualmente". 

 

Ler aqui

Se ganhasse o Euromilhões...

Descontos, 16.11.16

Muito antes de viajar pelo mundo, viajaria por Portugal. 

DSC_0048.JPG

 

Soajo / Parque Nacional Serra do Gerês

 

Asseguro-vos que as parcas fotos não fazem justiça ao que vi e senti.

Os cursos de água, o cheiro a musgo, o incrível verde, os animais a pastarem livremente...

Só tive pena de não poder continuar, mas se bem se lembram, o carro pifou.

 

É o tipo de viagem em que não é necessário haver destino.

O objectivo é aproveitar os regalos para os olhos que a viagem proporciona.