Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Pagar para fazer o meu trabalho II

Descontos, 11.06.19

Pagar para fazer o meu trabalho I

 

Depois de alguma reflexão, de ler os vossos comentários e até a opinião de alguns gurus da independência financeira, julgo ter chegado a algumas conclusões sobre a minha posição quanto a pagar para me limparem a casa ou passar a ferro.

 

1. Para libertar tempo livre

Muitas pessoas se referem ao tempo de lazer/descanso que "compram" quando pagam a outra pessoa para fazer as tarefas domésticas.

No meu caso, isso aconteceu recentemente - eu estive a limpar a casa da minha mãe enquanto outra pessoa limpava a minha, mas em regra eu não iria fazer nada de especial nesse tempo, excepto descansar.

 

A verdade é que só iria pagar para não ter de fazer algo que desgosto. Esse seria o único acréscimo à minha vida.

 

2. Para aumentar os meus rendimentos

Há vários anos, a minha vida profissional incluía 3 trabalhos: durante o dia, um extra à noite e outro extra aos sábados de manhã.

Nesse caso, estava a pagar para libertar tempo para incrementar os meus rendimentos. Ou seja, eu recebia mais dinheiro na actividade de sábado de manhã, que estava a pagar para me limparem a casa.

E como eu preferia passar o meu sábado a trabalhar que a limpar a casa ou a passar a ferro, fazia sentido.

A necessidade de descanso também pesou porque eu não limpava de forma tão rápida e eficiente, demorando mais que a profissional. 

 

3. Nunca, quando ainda se tem dívidas

A não ser que seja uma forma de aumentar rendimentos, nunca deveremos pagar outros o que podemos fazer nós próprios, antes de eliminar as dívidas pessoais.

Isto porque, é sabido que ter dívidas é uma fonte de stress e o tempo de lazer/descanso que se obtém, não a eliminará.

Na verdade, o sentimento de culpa por ter gasto esse dinheiro, em vez de o alocar para a eliminação da dívida, poderá agravá-lo.

 

No meu caso pessoal, a minha paz financeira não advém somente de não ter dívidas, mas de ter um fundo de emergência robusto.

 

Por isso, concluo que não posso justificar a mim mesma gastar esse dinheiro, quando posso poupá-lo.

Ou seja, até ganhar o euromilhões, vou ter de continuar a passar a ferro.

Dar sangue = isenção de taxas moderadoras no SNS

Descontos, 13.05.19

Esta semana tive de fazer três exames e paguei €10.50 de taxas moderadoras.

 

Bons tempos, em que dava sangue e não pagava taxas moderadoras, fosse em exames (mesmo que fosse nos privados com acordo com o SNS), em consultas no posto de saúde ou até nas urgências.

 

Se desejam poupar dinheiro, dar sangue é uma boa estratégia. No meu caso, a poupança rondaria €20-€40/ano.

2.jpg

E bebia sempre dois sumos docinhos, completamente grátis e livre de culpas. Afinal de contas, era por razões de saúde.

Certificados do Tesouro Poupança Crescimento

Descontos, 22.04.19

Eu sou uma investidora muito conservadora e com poucos recursos, pelo que os meus investimentos consistem em poupanças com garantia de capital, que possa fazer com pouco dinheiro mas que, infelizmente, têm pouco retorno.

 

Neste momento, os juros em aplicações a prazo nem a taxa de inflacção (cerca de 1%) estão a cobrir, o que significa que estou a perder dinheiro.

Assim e como tenho o meu fundo de emergência mais composto e as poupanças reforma já ultrapassaram €1500, vou aplicar mais €1000 em certificados do tesouro poupança crescimento que têm uma taxa de juro anual mínima de 0.75%. + um prémio correspondente a 40% do crescimento médio real do PIB, a partir do 2º ano.

 

Para mim, as principais vantagens são:

- Garantia da totalidade do capital investido e do rendimento obtido;

- Totalmente isento de custos;

- Os juros são pagos anualmente, líquidos de IRS, através de depósito na nossa conta bancária.

 

A desvantagem:

- Só é permitido o resgate total ou parcial um ano após a data da subscrição.

Investimento através do pagamento de despesas

Descontos, 15.03.19

No nosso dia-a-dia, é possível ter uma atitude de investimento, quando consideramos a redução das nossas despesas.

 

Por exemplo, há despesas anuais cujo pagamento pode ser fraccionado (geralmente em semestre ou trimestre), mas que ficam mais caras, quanto maior for o fraccionamento.

 

E eu, que até me considero uma pessoa inteligente, durante muito tempo fiz algo de muito estúpido, quando optei por pagamentos mensais de uma quota, que poderia pagar uma vez por ano, com consideravel desconto.

 

Porque não queria disponibilizar uma quantia maior, não considerei que ao investir nesse pagamento anual, isso resultaria em rendimentos adicionais (o desconto da despesa). 

 

Hoje, não teria dúvida que qualquer dinheiro disponível seria encaminhado para investir nessa despesa.

 

Por isso, se tiverem despesas anuais com pagamento fraccionados, em que tenham desconto por pagar imediatamente, aproveitem para investir. 

Queremos sempre o que não temos

Descontos, 13.03.19

É uma sensação recorrente: almejar ter o que não se tem, em regra porque outros têm e sentimo-nos excluídas/os.

 

Nesta semana, munida de uma mensalidade grátis do Netflix, comecei de imediato a adcionar a uma lista, o que queria ver e os conteúdos de que tinha ouvido falar ("tens de ver"). Surpreendentemente (para mim), encontrei muito pouco conteúdo, em que quisesse investir o meu tempo.

 

E mais uma vez, concluí que nunca compensaria pagar uma assinatura da Netflix. Uma mensalidade por ano? Muito provavelmente, mas mais que isso, seria um desperdício do meu dinheiro.

 

Nos últimos 3 meses, tive acesso a:

  • 1 mensalidade gratuita do Scribd (uso para audiolivros),
  • 1 mensalidade gratuita do Filmin.pt (cinema independente),
  • 1 mensalidade gratuita do Netflix,
  • e planeio aproveitar a oferta da HBO Portugal, em Abril.

 

Acresce que duas das ofertas não são meses iniciais, mas convites das marcas para voltar a aproveitar uma mensalidade grátis.

 

Em suma, se for aproveitando todas as ofertas, não há motivos para o sentimento de privação, no que respeita a entretenimento.

E ao escolher privar-me, a curto prazo, de alguns produtos, consigo reforçar o meu fundo de emergência, que é um objectivo de longo prazo.

Organização de descontos

Descontos, 28.02.19

Porque faço poucas compras, nunca me lembro das parcerias do Ikea Card no Marshopping.

 

Hoje peguei numa etiqueta autocolante, colei no cartão e anotei algumas que potencialmente poderia utilizar.  Tão simples como isso.

 

Por exemplo, eu costumo comprar amêndoas e chocolates, sem adição de açúcar, na Páscoa e  Natal. Descobri que tenho desperdiçado 10% de desconto, por não apresentar o cartão.

 

 

Por vezes, consegue-se poupar simplesmente afastando os obstáculos à poupança ou tornando-a mais automática.

O mini mealheiro dos cêntimos

Descontos, 18.02.19

Há bloggers profissionais e depois há EU, que não me recordo se vos contei que estou a fazer um mini-mealheiro com moedas de 1, 2, 5 e 10 cêntimos. Só coloco quando me lembro, ao fim do dia(s) se tiver essas moedas na carteira.

 

O objectivo é juntar €20: para subscrições de serviços de filmes e audiobooks.

 

O plano é aguardar períodos de férias, quando tenho mais tempo para aproveitar bem 1 mensalidade ou então aproveitar promoções como, por exemplo, a promoção de €20 por €10 que a Meo costuma fazer no VideoClubeMeo, por alturas do BlackFriday.

 

Neste momento, vai em €3.50.

IMG_20190217_180034_270.jpg

E perguntam: não era mais simples tirar €1-2/mês?

Concerteza. Mas não era tão divertido.

Melhores finanças pessoais em 2019: Começar/aumentar a poupança com 1%

Descontos, 21.01.19

Uma das minhas decisões de final do ano foi retirar dos meus rendimentos disponíveis a quantia de €20 euros mensais para reforçar o meu fundo de emergência. Eu escolhi reforçar o fundo de emergência porque, não ter um, estava a causar-me muita ansiedade. 

 

Fi-lo inspirada em duas estratégias de poupança: o pouco é melhor que nada e que a poupança automática ao início do mês é a forma mais eficiente de poupar.

 

Por isso, se não têm uma poupança, porque não começar uma hoje, com 1% do vosso rendimento?

 

Seja para um fundo de emergência, para os presentes de natal ou para alocar ao pagamento antecipado de uma dívida, esses 1% devem ser retirados do vosso rendimento disponível no início do mês. Essa a principal estratégia para o sucesso.

 

Por exemplo, podem:

- pagamento pontual do vosso cartão de crédito que não interfira nas datas dos pagamentos regulares;

- fazer um depósito a prazo, com reforços automáticos para, no final do ano ou de X meses, utilizarem para fazer um pagamento extra de uma qualquer dívida; 

- fazer uma mini poupança para pagar uma despesa anual (desde o IMI, um seguro ou os manuais escolares);

- fazer uma mini poupança para umas férias;

- começar/reforçar o fundo de emergência;

... 

Capturar (11).JPG

Acção do dia: começar.

Melhores finanças pessoais em 2019: Cartões de cliente

Descontos, 10.01.19

Uma forma de poupança também é aproveitar ofertas e promoções pelo que este post entre no leque de mini dicas.

1 (561).JPG

Nunca vos aconteceu perguntarem pelo cartão de cliente e não o terem, simplesmente porque não podem/querem andar com dezenas de cartões? 

Eu sou uma dessas pessoas. Por isso, tenho um papelito no porta-documentos que tem os números dos meus cartões-cliente.

Foto: AbsolutVision on Unsplash