Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Diário das minhas finanças pessoais

Isto é mesmo um diário, mas também um bloco de notas e talvez um caderno de ideias (umas melhores que outras)

Ultra Aprendizagem

A minha estratégia para aprender dactilografia #2

Descontos, 23.10.19

Ultra Aprendizagem: A minha estratégia para aprender dactilografia #1

 

Porquê a dactilografia?

Neste momento, eu consigo escrever com 2-4 dedos, em português, com uma velocidade de cerca de 49 palavras por minuto e com uma precisão de cerca de 87% (erros têm de ser corrigidos e abrandam-nos). 

 

Se conseguisse ser mais eficiente na escrita, isso teria uma efeito multiplicador na minha vida pessoal e profissional. 

Aumentar a minha velocidade de escrita, permite-me ser mais eficiente no trabalho e poderá, se tiver de trabalhar em casa, ser uma ferramenta essencial para actividades profissionais como transcrição, tradução, etc....

 

Há outras competências que desejo adquirir, mas considero que essa é basilar e terá um efeito multiplicador para as restantes.

 

Eu não tenho o luxo de poder dedicar-me exclusivamente ao projecto. Além do trabalho, tenho responsabilidades familiares que consomem uma parte significativa do meu tempo e/ou não me deixam descansada para aumentar (ainda mais) o tempo que estou fora de casa, para fazer um curso.

Por isso, vou fazê-lo sozinha, utilizando os princípios do ultralearning.

 

Utilizando os princípios da ultra aprendizagem

 

Cada projecto é único, não só pelas suas particularidades intrínsecas, como pelo estilo de vida de quem o irá implementar.

 

O meu objectivo é conseguir, em dois meses, escrever a uma velocidade mínima de 60 palavras por minuto, em português (o inglês ficará para depois).

 

Os 9 princípios da ultra aprendizagem aplicados ao meu projecto:

 

1 - Meta aprendizagem

A primeira fase é aprender a aprender.

E a primeira coisa que aprendi é que, aqueles altos nas letras F e J do nosso teclado são as teclas base da dactilografia. É onde os nossos dedos indicadores devem repousar. E esta hein?

Depois, aprendi que o método "touch" ou "toque rápido" é a forma mais eficiente de aprender dactilografia.

1 p_QIHA0cEQOMP_6UqnHREg.png

Existem outros métodos rápidos, mas nenhum que me possibilite uma estratégia de aprendizagem para aumentar a velocidade.

Mas onde e como? Há tantos programas online... alguns eu já havia tentado.

 

Recorri a várias linhas de comentários no Redditt (benchmarketing) e, resumidamente, percebi que a estratégia mais recomendada passava por concentrar os meus esforços na precisão (sem erros) e que a velocidade surgiria por acréscimo (e que ainda poderia ser melhorada na fase final).

 

Percebi também, quais os programas seriam os melhores para aprender (www.typingstudy.com ou www.typingclub.com) e quais seriam os melhores para praticar e para exercitar a velocidade (www.keybr.com, https://www.typingbolt.com, https://zty.pe, play.typeracer.com) .

 

Depois, a investigação levou-me a questões relacionadas com o tipo de teclado, a forma como abordar/repetir os exercícios, etc...

A informação é demasiado extensa para a replicar aqui, mas penso que deixei a ideia de como esta primeira fase é importante.

E para mim, foi instrumental para ter uma estratégia realista e sustentada.

 

2 - Foco

Naturalmente, o sucesso da empreitada implica que eu seja capaz de cultivar a minha capacidade de concentração.

Há quem, para aprender dactilografia, se obrigue a apenas usar o método de toque rápido, mesmo na fase de aprendizagem, para acelerar o processo.

Eu tentei, mas é demasiado frustrante. Estava a fazer 5-10 palavras por minuto e dar em maluca.

Mas conto restringir-me ao novo método, a partir da 6ª semana, pelo menos em casa e na maioria das horas em que estiver a trabalhar.

 

3 - Direccional 

Aprender, fazendo a coisa (exacta) em que desejamos ser bons. Aprender/fazer é uma componente do meu plano.

Como referi, espero que depois de consolidar a aprendizagem, consiga restringir a minha dactilografia ao método rápido, mesmo que sacrificando a velocidade.

 

4 - Exercitar 

Praticar constantemente e atacar os pontos fracos. Para isso, escolhi alguns programas em que posso concentrar-me numa fase em concreto, ou num conjunto de letras.

E pelo pouco que pratiquei, já percebi que há dedos que parecem ter um movimento menos natural e, por conseguinte, mais difícil (a letra S, por exemplo).

 

5 - Testar para aprender

No final de cada semana, irei fazer um teste de velocidade e precisão.

O objectivo para esse teste não é, testar por testar, é rever essa informação para melhorar.

 

6 - Feedback

Suponho que, no meu caso, o único feedback que terei é das aplicações informáticas que irei utilizar.

 

7 - Retenção

Entender o que é esquecido e porquê. Neste momento, porque se trata de dactilografia, estou a ler algumas coisas sobre o conceito de aprendizagem motora.

Em termos (muito leigos), a aprendizagem motora consiste numa aprendizagem por repetição, como por exemplo, aprender a andar de bicicleta, em que o movimento acaba por ser automático.

Sabem aquela expressão que diz que nunca se desaprende a andar de bicicleta? Pois bem, eu também aprendi que a aprendizagem motora tende a ser permanente.

 

Sabem outra coisa que percebi? Que se disser as letras em voz alta, o meu número de erros diminui consideravelmente. Isso tem a ver com a memória, como depois vim a descobrir.

 

8 - Intuição

O autor recomenda que se utilize a intuição para construir de baixo para cima.

Por exemplo, no meu caso, a minha intuição diz-me que tenho que perceber algumas estratégias de ergonomia para perceber qual a melhor posição do pulso quando estiver a passar para este novo método.

E isso é algo que tenho de incorporar no início do projecto, para evitar cometer erros que levem a desconforto ou até a lesões.

 

9 - Experimentação

O autor sublinha que deveremos ler tudo como pontos de partida e arriscar experimentar novas estratégias. Tudo são princípios, não regras e somos nós os responsáveis pelo nosso projecto de aprendizagem.

 

Calendário (preliminar)

Nas semanas 1 e 2 irei dedicar um mínimo de 10 minutos por dia. Idealmente, 10 + 10 minutos, em diferentes partes do dia.

Pode parecer pouco, mas realmente é uma aprendizagem saturante . Prefiro começar devagar, que desistir com a frustração.

Nas semanas 3 e seguintes irei dedicar um mínimo de 20/30 minutos por dia. Idealmente, 20/30 + 20/30 minutos, em diferentes partes do dia.

 

Semana 1 - Aprender e praticar a linha base

1.PNG

Semana 2 - Aprender e praticar o segundo grupo de letras

Semana 3 + 4 - Aprender e praticar o terceiro grupo de letras, que inclui caracteres especiais e um maior número de teclas.

Semana 5/6 - Praticar com texto e voltar a exercícios de aprendizagem para teclas em que senti maior dificuldade

Semana 7 - Praticar com texto e começar com jogos/exercícios de velocidade (não sacrificar a precisão)

Semana 8 - Praticar com texto e velocidade (não sacrificar a precisão).

 

Este calendário é meramente indicativo e não planeio avançar, sem que a aprendizagem de cada grupo esteja consolidada.

 

Planeio alternar entre os diferentes programas e jogos, para variar e praticar e praticar e praticar e praticar...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.